Sep
16
2010
-

STJ nega recursos que pediam suspensão da portaria do Ponto Eletrônico

Portaria 1510/09 do MTE

Portaria 1510/09 do MTE

Brasília, 15/09/2010 – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, nesta quarta-feira (15), recursos da Paquetá Calçados Ltda e da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) que pediam a suspensão da Portaria nº 1.510/2009, que regulamenta o registro de ponto eletrônico. A ministra Eliana Calmon, relatora do recurso, concordou com os argumentos apresentados pela Advocacia-Geral da União (AGU) para negar provimento ao regimental.
A decisão considerou que a portaria foi expedida em obediência à Constituição Federal e às leis que tratam do assunto, em especial o art. 74, § 2º, da Consolidação das Leis do Trabalho. Além disso, levou em consideração a demora das recorrentes em buscar o Poder Judiciário, uma vez que deixaram para “veicular a pretensão a poucos dias da entrada em vigor do ato normativo, fato que contribui para descaracterizar a urgência com que o pleito foi deduzido na impetração”.
A Procuradoria-Geral da União (PGU) e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) defenderam que a Portaria do Ponto Eletrônico garante a proteção da saúde, higiene e segurança do trabalho ao estabelecer meios com segurança jurídica para o controle eletrônico de jornada.
Ponto Eletrônico – A Portaria nº 1.510 disciplina o uso do Ponto Eletrônico e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto (SREP). Composto por 31 artigos, o documento enumera itens importantes que trazem eficiência, confiança e segurança ao empregador e ao trabalhador. O prazo para as empresas se adaptarem a nova regulamentação é 1º de março de 2011. Nenhuma empresa é obrigada a utilizar o ponto eletrônico, podendo optar também pelo registro manual ou mecânico.
Estão registrados no MTE 81 modelos de Registrador de Ponto Eletrônico (REP) e 19 fabricantes. A produção mensal, de acordo com informação passada ao ministério por 14 empresas fabricantes, é de 184.500 equipamentos.
O novo equipamento de ponto eletrônico terá que imprimir um comprovante ao trabalhador toda vez que houver registro de entrada e saída, possibilitando, desta forma, maior controle do trabalhador no final do mês sobre suas horas trabalhadas. O sistema também garante mais segurança no registro das informações, com sua inviolabilidade baseada em múltiplas garantias, como cadastro e certificação.

Fonte: MTE

Sep
09
2010
-

Sistema RFID permite a identificação de produtos piratas

Tag RFID para controle de mercadoria

Tag RFID para controle de mercadoria

Duas companhias norte-americanas – Verayo e SkyeTek – desenvolveram um sistema que permite às empresas e consumidores combater a pirataria. Trata-se de uma autenticação RFID de baixo custo que poderá ser implantada nos produtos e que identificará – a partir do uso de um leitor – se determinado produto é ou não falsificado.
A Verayo é a responsável pelo desenvolvimento e introdução dos chips nos produtos. Já a SkyeTek desenvolveu os leitores destes chips. Caso o produto seja falso, o componente emitirá uma luz vermelha. Caso seja autêntico, essa luz será verde.
A aplicação é resultado do uso inteligente de tecnologias simples, mas eficazes. A Verayo desenvolveu uma técnica chamada biometria de silício, algo semelhante à identificação de impressões digitais, e que consegue criar uma tag segura e que não pode ser clonada, ainda que cada chip criado por uma empresa apresente diferenças teoricamente indetectáveis.
O RFID da Verayo usa essas diferenças para identificar cada chip de maneira exclusiva e o leitor da SkyeTek – do tamanho de uma caneta – se encarrega de detectar essas “impressões”.
O sistema será testado para certificar a autenticidade de medicamentos enviados à África. Por enquanto, ambas as empresas trabalham com exclusividade com a GLOBALPCCA, uma associação farmacêutica que luta contra falsificações de remédios. No entanto, o uso da ferramenta para outros produtos não está descartado.

Fonte: IDG Now

Sep
01
2010
-

Acesso Digital participa do C4 e traz novidade ao mercado digitalização de documentos

Tela do Safedoc Tools

Tela do Safedoc Tools

A Acesso Digital, empresa que visa a popularização de digitalização de documentos no Brasil, participa do C4 – Congresso de Cartões e Crédito ao Consumidor e anuncia uma nova ferramenta de biometria por impressão digital acoplada à solução de digitalização de documentações.
O C4 acontecerá entre os dias 31 de agosto e 3 de setembro, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Pela primeira vez, o encontro inclui em seu roteiro o “C4 Varejo”, uma programação totalmente dedicada ao mercado varejista.
Nesta edição do C4, a Acesso Digital inova e anuncia uma nova funcionalidade para o segmento, que é a biometria por impressão digital. Com um equipamento de leitura de impressão digital acoplado no computador, será possível capturar a imagem da impressão digital do cliente por meio do SAFE-DOC, sistema organiza e armazena os documentos necessários para a concessão do crédito ao consumidor nas operações com cartões de crédito e private label. Entre os principais benefícios estão o custo acessível a pequenos e médios varejos, a maior agilidade e segurança no combate as fraudes.
O arquivo com a imagem da impressão digital será mais um item do “prontuário do cliente”, que as redes de varejo solicitam na hora de conceder o crédito. Assim, além da digitalização colorida, em alta qualidade, e a foto, de webcam, a solução ganha mais uma opção para reduzir ainda mais as fraudes no segmento financeiro.
“Integrado aos processos de bancos e redes varejistas, nossa solução já garante mais de 90% de redução de fraudes e auto-fraudes. Agora, com a biometria, nossa expectativa é que este índice se aproxime cada vez mais de 100% para que os nossos clientes possam eliminar as fraudes de seus processos”, afirma Alex Yamamoto, consultor do segmento financeiro da Acesso Digital.
Com a implementação do SAFE-DOC, as empresas passam a trabalhar com a digitalização distribuída, ou seja, os documentos do cliente que solicita o crédito passam a ser digitalizados nos pontos de venda, substituindo a cópia e possibilitando a análise imediata da documentação, já que ficam disponíveis em um portal na Internet imediatamente após a digitalização. Saiba mais em www.novaeradadigitalizacao.com.br
A Acesso Digital possui grandes clientes neste setor, como Bradesco, Citibank, Itaú, Cetelem, Omni Financeira, e redes como Quero-Quero, Paquetá, Rede Esplanada, Tent Beach, GBarbosa, entre outros.
Evento
O C4 é um grande encontro de profissionais do setor e um dos eventos com melhor avaliação na indústria de serviços financeiros. Reúne anualmente executivos que representam empresas atuantes no segmento financeiro: bancos, financeiras, varejistas, seguradoras, cartões de crédito, call centers, empresas de telecomunicações entre outras.
Neste ano, o especial C4 Varejo abordará outros assuntos de interesse das pequenas empresas, como pagamento por celular, biometria, contactless, recursos financeiros para o desenvolvimento do negócio e soluções financeiras para os clientes. Os debates trazem a visão dos executivos sob dois aspectos: o cliente varejista e o consumidor. A programação completa está no site oficial www.congressoc4.com.br.
Sobre a Acesso Digital
A Acesso Digital tem como missão popularizar a digitalização de documentos no Brasil. Com este foco, a empresa desenvolveu uma solução específica, que une simplicidade de uso, segurança de armazenagem e custo acessível para empresas de diferentes setores e portes.
A Acesso Digital é comandada pelo jovem empreendedor, Diego Torres Martins, sócio-diretor da companhia. Atualmente, possui clientes do segmento de private label, concessão de crédito ao consumidor, concessionárias, contabilidade, recursos humanos, marketing promocional, entre outros. Para saber mais, entre em www.acessodigital.com.br.

Notícia enviada por Ariane Cordeiro
Fonte: IT Web

Sep
01
2010
-

Biometria: 3M adquire Cogent por US$ 943 mi

Cogent terminal com leitor biométrico

Cogent terminal com leitor biométrico

A 3M, fabricante de produtos como fita adesiva e Post-It, até itens para navegação e mineração, anuncia um acordo para comprar a Cogent, empresa especializada em sistemas de identificação automática, com foco em biometria, por US$ 943 milhões.
Com a aquisição, a 3M ampliará seus negócios no ramo da segurança, onde já fabrica produtos como leitores de passaportes e vistos.
Através de um comunicado, a 3M detalhou que o acordo feito com a Cogent estabelece o pagamento de US$ 10,5 por ação da empresa. Com a compra, a meta é se fortalecer no mercado de sistemas de identificação biométricos, que segundo pesquisas deve crescer a uma taxa anual superior a 20%.
A Cogent, que tem sede na Califórnia e cerca de 500 colaboradores, oferece sistemas de leitura de impressões digitais, íris, rosto e palma das mãos. O conselho de administração da empresa já recomendou aos acionistas que aceitem a oferta.
O fundador da companhia, Ming Hsieh, pôs suas ações à disposição.
Se a maioria dos acionistas aceitar a oferta, a venda pode ser concretizada no quarto trimestre deste ano.

Fonte: Baguete

Template: TheBuckmaker.com Wordpress Themes | Greengeeks Panel, Urlaub Alpen