Nov
19
2010
-

Fiação elétrica funciona como antena para casa inteligente

Rede de sensores sem fios

Rede de sensores sem fios

A tecnologia logo tornará realidade um antigo ditado popular: as paredes realmente terão ouvidos.

E poderão contar alguns segredos interessantes para os donos da casa: uma janela aberta deixando escapar o ar condicionado, um vazamento de água ainda imperceptível, a mudança brusca de temperatura lá fora, e muitos mais.

Sensações caseiras

Tudo o que uma casa precisa para se tornar uma casa inteligente são “sensações”. E essas sensações são produzidas por sensores que fazem medições continuamente.

Em seguida, essas medições precisam ser enviadas a uma central que as processe e gere informações úteis para os moradores ou, principalmente, em gatilhos para o acionamento automático de comodidades, como ligar e desligar o ar-condicionado ou o aquecedor, abrir e fechar cortinas e janelas, acionar o aquecedor elétrico quando o tempo fica nublado, e assim por diante.

Agora, um grupo de pesquisadores norte-americanos criou um novo tipo de sensor que usa a fiação elétrica de uma casa como uma gigantesca antena, capaz de captar as informações dos diversos sensores espalhados pela residência e pelo seu entorno.

A central de monitoramento é também conectada à rede elétrica, de onde retira os sinais dos sensores e faz o seu processamento.

Sensores sem fios

Sensores que monitoram temperatura, umidade, nível de iluminação, qualidade do ar, etc, são equipamentos simples e baratos e que consomem pouquíssima energia para coletar os dados. Mas a energia necessária para transmitir esses dados é muito grande.

“Quando você olha para o sensoriamento doméstico e para a automação residencial em geral, é possível ver que a tecnologia ainda não decolou”, afirma o Dr. Shwetak Patel, da Universidade de Washington. “A tecnologia existente ainda consome energia demais e não é tão fácil de implementar como gostaríamos que fosse.”

Isto ocorre em grande parte porque os equipamentos sem fios de hoje têm um alcance de apenas alguns metros, e consomem tanta energia que exigem constantes trocas das suas baterias.

A saída encontrada pela equipe do Dr. Patel foi usar a fiação elétrica como uma gigantesca antena, capaz de receber sinais dos sensores sem fios em uma frequência definida.

Enquanto os sistemas sem fios de automação doméstica atuais têm problemas para enviar sinais através das paredes, diminuindo muito sua praticidade, este sistema na verdade opera melhor em torno das paredes, porque é em seu interior que está a antena.

Uma bateria para 50 anos

Cada sensor é dotado de sua própria antena de transmissão, que pode ser tão simples quanto um fio de cobre enrolado ao seu redor.

Como a antena de recepção está efetivamente espalhada por toda a casa, os sensores podem transmitir com potência muito baixa, economizando suas baterias – o sistema opera com menos de 1 por cento da potência de transmissão de dados em comparação com o próximo modelo mais eficiente disponível.

Ainda assim, os sensores têm um alcance que permite sua instalação a até 15 metros da fiação mais próxima.

Consumindo por volta de 1 miliwatt de energia, cada sensor pode funcionar com uma bateria do tipo botão por cerca de 50 anos – provavelmente a bateria terá que ser trocada antes disso, mas porque irá se deteriorar e não por falta de energia.

Tendo atingido níveis tão baixos de energia, os pesquisadores agora querem eliminar de vez as baterias, fazendo os sensores funcionarem com energia solar – a claridade interna da residência é suficiente – ou por geradores piezoelétricos que aproveitem as vibrações do ambiente para gerar energia.

Fonte: Inovação Tecnológica

Nov
18
2010
-

Polícia de Nova Iorque usará leitor biométrico para identificar criminosos

Leitor Biométrico de Íris

Leitor Biométrico de Íris

Parece que a tecnologia do seriado C.S.I saiu das telas e invadiu o mundo real. A polícia de Nova Iorque utilizará leitores biométricos e de íris para identificar criminosos.

Em entrevista à Associated Press, um porta-voz da polícia novaiorquina revelou que esse processo servirá para ajudar os policiais a evitar erros durante abordagens e operações. Dessa forma, um inocente não será preso equivocadamente.

Para dar conta do recado, os criminosos serão identificados pelas digitais e íris. Os policiais, por sua vez, terão um aparelho portátil que fará a leitura e identificação das digitais.

Como toda tecnologia de ponta é cara, os gastos gerados com a compra de aparelhos para o Departamento da Polícia de Nova Iorque serão exorbitantes. No total serão 21 aparelhos distribuídos para algumas viaturas e o valor chegará a US$ 23,800.

Embora o preço ainda seja alto para ter esses aparelhos de última geração, é um investimento para conter a criminalidade e colocar os bandidos atrás das grades.

Fonte: POP

Nov
04
2010
-

Novo Relógio de Ponto faz Inforcomp ampliar produção

Relógio de Ponto Eletrônico (REP) da Inforcomp

Relógio de Ponto Eletrônico (REP) da Inforcomp

Antes de saber que as empresas ganhariam mais tempo para adquirirem o REP - Registrador Eletrônico de Ponto, para atender a Portaria 1510/09, que prorrogou o prazo para 1o. de março de 2011, as principais indústrias que fabricam relógio de ponto correram para obedecer as datas.

Um exemplo é o empresário José Roberto Stagliório, fundador e dirigente da Inforcomp. “Tivemos que nos superar em várias frentes na empresa, ampliando a estrutura, quadro de funcionários e qualificando a mão de obra. Fui buscar não só ajuda técnica, como também recorri aos meus filhos, Renato e Cíntia, para aumentar o fôlego e nos tornarmos mais competitivos. Readaptamos nossa estrutura física e contratamos muitos técnicos, além de firmarmos parcerias”, conta Stagliório.

Para atender a demanda, a empresa produziu uma linha de Relógios Eletrônicos de Ponto com vários diferenciais de mercado, como leitura por biometria de alta qualidade e por código de barra, conexão para pen drive, memória permanente de dados capaz de armazenar mais de 59 milhões de marcações, papel térmico personalizado para impressão dos tickets, e um ágil sistema de troca de bobina que leva em média cinco segundos. “Ao todo serão industrializados três modelos de REPs, dois já estão homologados e o terceiro em fase de certificação”, explica o empresário Stagliório.

A Inforcomp está ampliando sua área de atuação e credenciando revendas para comercialização diferenciada com suporte técnico para hardware e software, e criou um calendário mensal de treinamento especializado, uma vez que as revendas passam a ser co-responsáveis junto ao cliente, que conta com a supervisão Inforcomp nas áreas comercial e técnica.

“No momento, 60 delas já estão comercializando os produtos e cerca de 100 em tratativas de cadastramento. A empresa espera trabalhar com mais de 150 representantes, presentes em todas as latitudes do Brasil, de Rio Branco a Recife e de Manaus a Porto Alegre”, comemora o empresário.

Fonte: MetaAnálise

Nov
04
2010
-

Akiyama Corporação foi a responsável pelo cadastramento biométrico de eleitores

Leitor Biométrico Digital

Leitor Biométrico Digital

Nas eleições de 2010 a Akiyama Corporação esteve presente em mais de 23 estados e 60 municípios contribuindo para o cadastramento biométrico de 1 milhão de eleitores brasileiros. A Akiyama venceu em 2009 a licitação do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) para fornecer o KitBio, solução responsável pelo cadastramento biométrico de todos os eleitores, e utilizado nas eleições deste ano. O TSE já adquiriu 1.412 KitBio só esse ano e a estimativa é que até 2014 todos os eleitores do país terão suas digitais cadastradas junto ao órgão.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, informou que 1,2 milhão de eleitores participaram do processo eleitoral utilizando urnas biométricas, e 93,5% tiveram suas impressões digitais reconhecidas pelas máquinas. “A biometria foi um sucesso. Foi a primeira vez que utilizamos o sistema biométrico e tivemos 93,5% de reconhecimento das impressões nos 60 municípios em que esse sistema foi aplicado”, comemorou o presidente do TSE.

Para Ismael Akiyama, diretor-presidente da Akiyama Corporação o resultado das eleições foi excelente: “o acesso à novas tecnologias compõe as diretrizes da nossa empresa, e o sucesso do KitBio confirma essa premissa”, explicou.

Sistema

A Akiyama firmou parceria com a maior provedora de software para integração do AFIS (Automatic Fingerprint Identification System) no Brasil, a Empresa IAFIS Systems do Brasil. Essa parceria fez com que a Akiyama desenvolvesse o KitBio – composto por uma câmera digital, mini-estúdio fotográfico com assento e o scanner biométrico RealScan-D. A tecnologia envolvida no equipamento permite a obtenção de digitais e imagens de maneira rápida, com cadastro automático.

Fonte: ParanaShop

Nov
04
2010
-

BlackBerry com leitor de impressão digital?

Esquema do Black Barry

Esquema do BlackBarry

E quando você pensava que seu BlackBerry não poderia ficar mais seguro, parece que isso vai acontecer, em breve. Uma patente que foi registrada em 26 de fevereiro de 2009 e atualizada em 12 de janeiro de 2010, descreve claramente a implementação da tecnologia de leitura de impressão digital.
Os dispositivos utilizados nas figuras pode ser um tanto arcaicos, mas recorrentemente ouve-se que a RIM vem trabalhando nisso a alguns anos. Quer dizer que podemos esperar por essa tecnologia a bordo de um BlackBerry no futuro? Existem boas chances, especialmente pela atualização do registro da patente pela RIM, fazendo parecer que planeja implementar mais essa funcionalidade aos seus dispositivos móveis.
A seguir, a tradução de um trecho do texto da patente:
Um aparelho para entrada e reconhecimento da impressão digital compreende uma superfície de toque e um processador de dados junto à superfície sensível ao toque. A superfície de toque compreende uma primeira região e uma segunda região. A segunda região é distinta e coplanar com a primeira região e ocupa uma parcela menor da área total da superfície sensível ao toque. O processador de dados está configurado para operar seletivamente a superfície de toque em um modo de entrada de toque ou um modo de detecção de impressões digitais. No modo de entrada por toque, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma primeira resolução comparável à da primeira região para detectar uma entrada de contato em qualquer lugar na superfície sensível ao toque. No modo de detecção de impressões digitais, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma resolução maior do que a primeira resolução para detectar uma impressão digital na segunda região.
Touch pads são conhecidas técnicas de entrada de computador. O touch pad tem uma superfície plana capaz de produzir um sinal quando a superfície plana é tocada com um dedo.
Reconhecimento de impressão de dedo é uma técnica conhecida de sistemas biométricos, utilizados para reconhecer a identidade de uma pessoa com base em características fisiológicas.

Leitor Biometrico do Black Barry

Leitor Biometrico do BlackBarry

Ambas as técnicas não são tipicamente apresentados simultaneamente em dispositivos eletrônicos portáteis. Apesar de almofadas de toque e dispositivos de impressão digital são comuns, almofadas de toque podem ter resolução muito baixa, e pode usar um algoritmo de interpretação para aumentar a resolução aparente, enquanto que os dispositivos de impressão digital podem ter resolução muito alta. A área da superfície limitada de um dispositivo eletrônico portátil pode excluir a utilização de pastilhas de ambos os toques e dispositivos de impressão digital, simultaneamente.
Não se sabe ao certo se um recurso como este seria implementado na maioria dos futuros dispositivos ou se a RIM pretende que esta seja orientada a aplicações de alto-nível como corporações, governos, etc. Isto poderia servir a um propósito corporativo, mas seria usado por usuários fora das organizações? Considerando os prós e os contras de uma característica única como esta, se o sistema operacional do dispositivo puder lidar eficientemente com a digitalização de impressão digital e fazê-lo rapidamente, pode se tornar um sucesso.
Dada a atual rapidez dos sistemas operacionais instalados nos BlackBerries, esta função pode se tornar apenas uma novidade sem ter uma utilidade prática para todos os usuários.
De qualquer forma, mal posso esperar para desbloquear meu BlackBerry usando apenas encostando meu polegar na tela.

Fonte: Bagapreta

Nov
03
2010
-

Sistema de redes neurais facilitará rastreamento de bovinos

Biometria em Rebanho Bovino

Biometria em Rebanho Bovino

Na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP, em Pirassununga, pesquisadores testam com sucesso uma ferramenta baseada em redes neurais artificiais (RNA) que permitirá a identificação biométrica em bovinos pelo focinho. Segundo a zootecnista Carolina Melleiro Gimenez, esta parte da cabeça do animal possui linhas únicas que permitem distinguí-los. “Conseguimos obter um padrão genérico do focinho por meio do processamento de imagens. Observamos que os padrões distinguem cada animal, assim como uma impressão digital pode distinguir cada ser humano”, explica a pesquisadora.

Os estudos estão sendo conduzidos no Laboratório de Física Aplicada e Computacional (Lafac) da FZEA, sob a supervisão do professor Ernane Xavier. Os cientistas possuem no laboratório mais de mil imagens de focinhos bovinos, fotografadas em 50 animais, que estão sendo utilizadas no “treinamento” da RNA. A captação das imagens, o treinamento e desenvolvimento da rede, que estarão concluídos até o final deste ano, fazem parte dos estudos de mestrado de Carolina. Para o seu programa de doutorado, que deverá iniciar já em 2011, a pesquisadora irá desenvolver um sistema de leitura destas informações. “Acredito que no máximo em dois anos teremos o primeiro protótipo de um leitor biométrico de focinho cujo sistema de funcionamento utiliza redes neurais artificiais ”, avalia a pesquisadora.
Para o desenvolvimento da RNA, Carolina fotografou animais da raça Nelore. “Fotografamos cada animal, um a um, obtendo cerca de 16 imagens por animal que foram armazenadas na base de dados. Desse total, cerca de 2/3 estão sendo aproveitadas no treinamento da rede e 1/3 para testar a rede”, descreve a zootecnista. Os animais são todos pertencentes à FZEA e foram fotografados aos 11 e aos 23 meses de idade. “Neste período constatamos que não houve mudança no padrão. Observamos apenas alterações mínimas mas que não chegam a alterar o padrão de identificação”, garante Carolina.

Brincos e bótons
A pesquisadora destaca que a inovação desse novo sistema está justamente em proporcionar maior segurança ao sistema de rastreamento bovino em fazendas de bovinos, seja de corte ou de produção de leite. “Nossa identificação biométrica poderá ser utilizada em qualquer tipo de bovino, independente de sua aptidão zootécnica”, afirma.
Sistemas de rastreamento bovino são aqueles em que há registros do animal desde o seu nascimento ou desde de sua aquisição pelo criador. Atualmente, a maioria das fazendas utilizam sistemas de identificação por brincos ou botons, ou utilizando as duas formas. Os brincos e bótons são elementos de plásticos fixados na orelha dos animais e que contém uma numeração. No computador central da fazenda, esses números se referem a planilhas que possuem toda a vida do animal, desde informações sobre datas, como nascimento por exemplo, até vacinações, medicamentos, detalhes de manejo e o sexo, entre outras.

Boton e Brinco para identificação de bovinos

Boton e Brinco para identificação de bovinos

No entanto, de acordo com a zootecnista, é comum os animais perderem suas identificações. “Há situações em que um animal pode “tirar” o brinco ou o bóton de outro, ou mesmo que a numeração se perca quando boi se coçar numa cerca por exemplo. Em geral, estas perdas chegam a representar 10% do rebanho”, descreve. Neste caso, se o criador adotou uma identificação única – ou o brinco ou o bóton – não teria outra forma de identificação do animal, como explica Carolina.
É justamente aí que a pesquisadora destaca a vantagem do novo sistema. A partir de uma tecnologia que possibilite se obter a imagem do focinho do animal, este problema estará solucionado. “Podemos imaginar que os animais passem por um corredor em que tenhamos um sistema de espelhos que possa obter de forma rápida a imagem do focinho. Com esta imagem, facilmente poderíamos identificá-lo e resgatar as informações sobre o bovino. Esta é uma das hipóteses que serão estudadas em meu programa de doutorado”, antecipa a zootecnista.
Sisbov
A tecnologia que vem sendo desenvolvida no Lafac atenderá plenamente as exigências do Serviço Brasileiro de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos (Sisbov), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O objetivo do Sisbov é registrar e identificar o rebanho bovino e bubalino do território nacional possibilitando o rastreamento do animal desde o nascimento até o abate, disponibilizando relatórios de apoio a tomada de decisão quanto a qualidade do rebanho. Nos rebanhos, os números que constam nos brincos e bótons são fornecidos pelo Sisbov e, segundo Carolina, a obtenção de uma nova identificação esbarra em tempo e burocracias.
A zootecnista também ressalta que o Brasil, como maior exportador de carne do mundo, ainda sofre embargos por exigências sanitárias. “Daí a necessidade de se rastrear e ter o controle da vida do animal. Com o novo sistema isso deverá ser facilitado”, afirma a zootecnista.
Outra aplicabilidade do novo sistema destacada por Carolina é o caso de utilização nos chamados “gados de elite”. São os animais apresentados em leilões e exposições. Segundo a pesquisadora, esses animais não devem possuir muitas marcas. “Nosso sistema será interessante nesse tipo de animal”, avalia Carolina.

Fonte: Agência USP de Notícias

Nov
03
2010
-

Empresa brasileira cria sistema que mede a consumação pela impressão digital

Leitor Biometrico Digital Persona

Leitor Biometrico Digital Persona

A empresa brasileira Datto criou um sistema de comanda digital por biometria, que controla o consumo nos estabelecimentos pela impressão digital dos clientes. A invenção também automatiza a administração do negócio, auxilia no fechamento de caixa, controle de vendas e compartilhamento de sistema. No caso de bares e baladas, principal público do sistema, problemas como superlotação na área do bar e filas para pagamento da comanda na hora da saída são rapidamente solucionados com o sistema.

O produto foi criado em setembro de 2009, mas começou a ter força no mercado em agosto deste ano. Ricardo Florêncio, diretor da Datto, explica que a ideia surgiu das necessidades de um cliente da empresa, um kartódromo de Guarulhos (SP), que tinha problemas com comandas extraviadas, principalmente quando os clientes estavam nas corridas de kart.

A implantação do sistema custa em torno de R$ 8 mil. Dependendo das opções feitas, o preço pode variar. Atualmente, já são 30 clientes em negociação – a maioria do Nordeste e do Sul do país.

Fonte: PEGN

Nov
01
2010
-

DETRAN IMPLANTA NOVO SISTEMA DE BIOMETRIA

Leitor Biométrico

Leitor Biométrico

Em obediência à Resolução 287 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e à Portaria 101/08 do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a partir do dia 28 de outubro de 2010, as pessoas que quiserem tirar a 1ª habilitação deverão se dirigir àquela autarquia e não mais às clínicas médicas credenciadas.

O Detran está implantando um novo sistema de biometria, que consiste na captura e coleta de imagem, assinatura e digitais dos candidatos à 1ª Carteira de Habilitação. Portanto, os interessados, deverão procurar a sala de habilitação na Delegacia de Acidentes de Trânsito (DAT), no próprio prédio do Detran para realizarem esse cadastro.

Posteriormente, eles deverão se dirigir a um Centro de Formação de Condutores (CFC), para matrícula e abertura de processo. E deverão ser encaminhados a uma clínica Médica e Psicológica, escolhida pelo sistema. O restante do processo é o mesmo. O candidato fará os exames médicos e psicológicos, e as aulas teóricas e práticas.

Após 6 meses da implantação do novo sistema, os processos de adição, mudança de categoria e renovação de CNH também serão realizados no mesmo setor. Mas vale ressaltar, que nesse primeiro momento, somente os processos para aquisição da 1ª habilitação é que terão alterações.

Essas mudanças são para atender melhor a população, dar mais segurança e agilidade aos processos de aquisição de CNH, e obedecer as normas exigidas pelo Conselho Nacional de Trânsito, explica Jorge Everton, diretor presidente do Detran.

Fonte: Jusbrasil

Nov
01
2010
-

Biometria Facial

Biometria da Face

Biometria da Face

Sobre Identificação Facial

Atualmente há muitos métodos da identificação biométrica: Impressões Digitais, a íris do olho, o retina, a voz, a Face etc. Cada um destes métodos tem as determinadas vantagens e desvantagens que devem ser consideradas em desenvolver sistemas biométricos, como: confiabilidade do sistema, preço, flexibilidade, necessidade do contato físico com o dispositivo de exploração e muita outra. Selecionar um determinado método biométrico da identificação ou usar um sistema multibiometrico pode ajudar a suportar estas exigências freqüentemente discrepantes.
O reconhecimento da Face pode ser uma alternativa importante para selecionar e desenvolver um sistema biométrico otimizado. Sua vantagem é que não requer o contato físico com um dispositivo da captação da imagem (câmera). Um sistema da identificação da Face não requer nenhuma ferramenta avançada, porque pode ser usado com dispositivos existentes da captação da imagem (webcams, câmeras etc. da segurança).
Assim, o reconhecimento facial deve ser considerado como uma alternativa séria no desenvolvimento de sistemas biométricos ou multibiometricos.

Tecnologia de Reconhecimento Facial

Como a biometria da impressão digital, a tecnologia facial do reconhecimento é extensamente utilizada em vários sistemas, incluindo a segurança física dos clientes do controle de acesso e do usuário do computador.
Geralmente estes sistemas extraem características do únicas das imagens da Face e executam então a Face que combina utilizando estas características. Uma Face não tem tantas características excepcionalmente mesuráveis como a impressões digitais e íris do olho, assim a confiabilidade facial do reconhecimento é ligeiramente mais baixa do que estes outros métodos biométricos do reconhecimento.
Entretanto, é ainda apropriado para muitas aplicações, especialmente ao fazer exame no cliente de sua conveniência para o usuário. O reconhecimento Facial pode também ser usado junto com o reconhecimento da impressão digital ou outro método biométrico
desenvolvendo uma aplicação crítica mais segurança.
A aproximação multi-biometrica é especialmente importante para a identificação (1:N).
No general, os sistemas da identificação são muito convenientes de usar-se porque não requerem nenhuma informação adicional da segurança (smart-cards, senhas etc.).
Entretanto, usando as rotinas 1:N combinando somente um método biométrico, podem resultar em uma probabilidade falsa mais elevada da aceitação, que possa se tornar inaceitável para aplicações com bases de dados grandes.
Usar a identificação da Face como um método biométrico adicional pode dramaticamente diminuir este efeito. Esta aproximação multi-biometrica ajuda também nas situações onde uma determinada característica biométrica não é ótima ou única para
determinados grupos dos usuários. Por exemplo, os povos que fazem o trabalho pesado com suas mãos podem ter as impressões digitais ásperas, que podem aumentar a taxa falsa da rejeição se a identificação da impressão digital for usada sozinho.

Produtos Relacionado

VeriLook SDK
O VeriLook a tecnologia é pretendida para integradores do sistema de reconhecimento facial. VeriLook oferece a identificação de confiança rápida com detecção viva da Face e a habilidade de processar múltiplas faces em um único frame.
VeriLook 4.0 SDK é independente de câmera, capaz de fazer uso de Webcam e as oferece um jogo das amostras de programação software de câmeras e de tutorias escritos nas principais linguagens de programação. Estes tipos de SDK estão disponíveis

- VeriLook 4.0 Standard SDK destina-se ao desenvolvimento de aplicações baseadas em PC biométricos. Inclui Matcher e Extrator amostras de componentes, programação e tutoriais, gerente de software da câmera e documentação do software. O SDK permite o desenvolvimento de aplicações biométricas para o Microsoft Windows , Linux ou sistemas operacionais Mac OS X.
- VeriLook 4.0 Extended SDK é indicado para aplicações Baseadas na Web e desenvolvimento da aplicação para rede. Inclui todas as características de SDK padrão. Adicionalmente, o SDK contem aplicações exemplos do lado cliente, tutoriais e um Matching Server pronto para uso.

FaceCell EDK
O FaceCell a tecnologia foi desenvolvida usando-se em vários dispositivos embarcados ou móveis, como smart-phones, em computadores handheld e em dispositivos.
FaceCell 1.1 EDK esta disponível por um período de 30 dias trial. Para downloadable trial kit permite ao desenvolvedor explorer a tecnologia e testar em ambientes reais de aplicações.
MegaMatcher SDK
MegaMatcher é uma tecnologia multi-biometrica, pretendida para sistemas em grande escala da Face-impressão digital e integradores de AFIS. A tecnologia inclui a impressão digital e os mecanismos faciais do reconhecimento que poderiam ser usados separados ou em conjunto. O mecanismo da Face mostra uma velocidade combinando proeminente, que lhe confere especial indicação para sistema com base de dados de largas escalas.
Mais motores para outras modalidades biométricas estão disponíveis como add- ons SDK para MegaMatcher :
- Mecanismo de reconhecimento de íris – Disponível em VeriEye SDK 2,2 como um add-on para MegaMatcher 3.1 SDK .
- Mecanismo de reconhecimento Palmar (Palm print) – Disponível em MegaMatcher Palm Print Add-on.
MegaMatcher 3.1 SDK inclui o software do SERVER para sistemas multi-biometrico local, CLUSTER software para o desenvolvimento de produtos multi-biométricas em grande escala, e um jogo de componentes de tarefas específicas valiosas.

Fonte: FingerSec

Template: TheBuckmaker.com Wordpress Themes | Greengeeks Panel, Urlaub Alpen