Dec
17
2010
-

Canoas implanta leitor de biometria facial para encontrar foragidos

Monitoramento para biometria facial

Sala de Monitoramento da Prefeitura de Canoas

Ainda está em fase de testes, mas na próxima semana entra em funcionamento mais uma novidade tecnológica que se alia ao sistema de inteligência da secretaria de Segurança Pública e Cidadania de Canoas, é o leitor de biometria facial para encontrar foragidos.

Câmeras instaladas no interior de duas estações da Trensurb repassarão as imagens para um computador das salas de monitoramento da prefeitura e da Brigada Militar. Um software reconhecerá o rosto das pessoas e fará a comparação com o banco de dados da polícia civil, que tem cadastrado 250 fotos de criminosos, armazenado no sistema. Em uma tela o operador controla a porcentagem de probabilidade de reconhecimento. Passando de 80% a Brigada Militar e a segurança da Trensurb são imediatamente acionadas.

O sistema tem capacidade de reconhecimento a uma distância de 5m. De acordo com secretário de segurança Alberto Kopittke a partir de janeiro será discutida a integração do sistema para incluir, por exemplo, o banco de dados de Porto Alegre. O investimento foi de R$100mil, considerado um custo viável pela capacidade de resposta.

O leitor de biometria facial foi criado a oito anos na Rússia para espionagem. De lá pra cá o sistema foi extremamente qualificado, segundo o técnico da empresa ISS Alexandre Martins que comercializa o software e está ajudando na implantação em Canoas.

Canoas terá ainda um sistema de reconhecimento de placas. Em caso de irregularidades, os operadores são avisados e podem interceptar o condutor na hora. O sistema também permite que, em caso de fuga de bandidos, a polícia prepare o sistema para identificar determinado veículo assim que ele passar por um dos detectores. Diferentemente dos radares instalados em rodovias, capazes apenas de ajudar na aplicação de multas, esse sistema oferece uma investigação a partir dos dados sincronizados da polícia e se torna uma ferramenta para coibir ações criminosas.

“A grande maioria dos crimes nas grandes cidades envolve tentativas de fuga utilizando motos ou carros”, afirma Alexandre Nastro, diretor da ISS. “Os municípios estão percebendo que é possível coibir essas ações e, na ocorrência de um crime, surpreender os suspeitos com uma barreira policial, por exemplo”, observa Nastro.

Canoas é a segunda cidade brasileira a implantar o sistema de reconhecimento de placas e a primeira a ter um leitor facial em vias públicas

Fonte: Prefeitura de Canoas

Dec
14
2010
-

Vivo e PayPal anunciam serviço de pagamento por celular

Pagamento pelo Celular

Pagamento pelo Celular

A PayPal, empresa de pagamentos on-line, e a Vivo anunciaram nesta quarta-feira (8) parceria que oferece aos 58 milhões de clientes da operadora a possibilidade de fazer pagamentos por meio do celular.

O novo serviço estará disponível ao longo do primeiro semestre de 2011 para todos os clientes Vivo que possuírem aparelhos com as tecnologias GSM e 3G nos planos pré-pago, Vivo Controle ou pós-pago.

Segundo Mario Mello, presidente da PayPal no Brasil, a parceria possibilita a recarga por celular sem a necessidade de acesso à internet. “Além disso, os brasileiros poderão utilizar o aparelho para enviar e receber pagamentos de forma simples e segura”, completou.

Proteção das informações

Conforme o comunicado divulgado nesta quarta-feira (8), todas as operações realizadas pela PayPal são protegidas e monitoradas por uma equipe antifraude e as informações dos clientes são armazenadas de acordo com critérios internacionais de proteção de dados.
Como a operação é feita por meio de mensagens de texto (SMS), o serviço é acessível a todos os tipos de aparelhos, não apenas os
smartphones.
“O
pagamento pelo celular permite ao usuário digitar a sua senha no próprio aparelho, o que preserva o número do cartão”, afirma Hugo Janeba, vice-presidente de marketing e inovação da Vivo.

PayPal no mundo

As transações financeiras realizadas via PayPal pelo celular saltaram de US$ 25 milhões em 2008 no mundo, para US$ 141 milhões em 2009. A expectativa da empresa é atingir um volume de mais de US$ 500 milhões este ano. Segundo Mello, a companhia espera fechar 2010 com mais de 5 milhões de pessoas usando a PayPal de seus celulares.

Fonte: Conecte

Dec
13
2010
-

LaCie Rugged Safe garante segurança com dispositivo de biometria

Laclie Rugged Safe, o HD com biometria

Laclie Rugged Safe, o HD com biometria

São Paulo, dezembro de 2010 – Para atender a demanda de empresas que buscam por sistemas de segurança que evitam a fuga de suas informações, a Superkit Distribuidora traz ao mercado o LaCie Rugged Safe, uma solução de armazenamento móvel de dados com criptografia por hardware que permite acesso a até 10 usuários, a partir de autenticação biométrica.
Recente pesquisa apresentada pela KPMG, ‘A Fraude no Brasil 2009?, apontou que em 68% do número de casos que levaram à perda de dados em empresas brasileiras em 2009, de tudo que foi roubado, nada jamais foi recuperado. O estudo mostrou ainda que entre os responsáveis pela violação de informações, em 61% estão os funcionários internos.
Diante de um cenário no qual o funcionário tem a permissão para transportar dados importantes e sigilosos da empresa, a solução LaCie Rugged Safe permite que o acesso as informações sejam totalmente restritas a colaboradores de maior confiança. A solução disponibiliza diversos níveis de proteção de dados, que englobam a
criptografia de hardware 128bits AES, tecnologia de autenticação biométrica que permite controle de dados personalizado com acesso limitado de usuário e gabinete à prova de choque.
O disco rígido Rugged Safe oferece praticidade de uso, pois não necessita de instalação de software e a autenticação biométrica é feita por apenas um toque do usuário. O produto conta ainda com múltiplas conexões como: porta USB 2.0 e FireWire 800/400, sendo compatível para os computadores Mac ou PC.
Segundo o diretor geral de operações da Superkit, Levi Salera, esta solução atende prontamente empresas de qualquer segmento e porte, pois é muito comum o armazenamento de informações corporativas em soluções móveis para serem apresentadas em reunião de negócios ou apresentação de novos projetos.
“Hoje em dia, o mercado apresenta uma gama de dispositivos móveis que permitem armazenamento de dados, mas que não garantem a segurança às empresas em diversos casos, como em perda ou roubo do equipamento. Com o LaCie Rugged Safe, as companhias estarão seguras quanto a estas e outras possibilidades de fuga de informações”, avalia Salera.
LaCie Rugged Safe – Características técnicas
Fabricante:
LaCie
Capacidade: 500GB
Dimensões: 90 x 28 x 145 mm
Onde encontrar:www.atera.com.br, www.kabum.com.br ou www.superkitb2b.com.br
Preço Sugerido: R$ 799,00
Sobre a Superkit
A Superkit é uma distribuidora de produtos de informática presente no mercado nacional desde 1994. Atenta às tendências mundiais e com o objetivo de disponibilizar produtos de qualidade comprovada a preços competitivos, a empresa especializou-se na importação e distribuição de acessórios e hoje conta com mais 10 marcas em seu portfólio. A busca pela qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos parceiros tem aproximado a distribuidora das principais redes de varejo e ampliado sua capilaridade pelo país e hoje atua conta com cerca de 1.200 revendas ativas em todo o território nacional.

Fonte: PC Project

Dec
13
2010
-

Polícia Federal lança projeto piloto de novo passaporte

Passaporte com chip eletrônico

Passaporte com chip eletrônico

A Polícia Federal escolheu Brasília e Goiânia para implantar o Projeto Piloto de emissão do novo passaporte brasileiro com chip eletrônico, também conhecido como E-Passaporte, tecnologia já adotada por países da União Européia, Japão, Austrália e Estados Unidos.

A cor azul, padronizada para países do Mercosul, será mantida no novo passaporte, que terá um símbolo na capa indicando a presença do chip, que será inserido na contracapa, não ficando exposto e a leitura será feita por radiofrequência. A página com informações do passageiro ainda será enrijecida.

Além do Passaporte Comum, será implantado o novo modelo eletrônico também no Passaporte para Estrangeiro e Laissez-passer. Saliente-se que o lançamento do novo modelo de passaporte não invalida os anteriores ainda vigentes, não havendo necessidade de substituição antecipada dos mesmos.

O novo documento de viagem, emitido em Goiânia a partir de quarta-feira (08/12), será mais seguro que o atual, emitido desde dezembro de 2006, porque vai armazenar mais dados e terá fácil leitura no controle migratório. Constarão no chip informações do portador constantes dos dados impressos na zona de leitura mecânica da caderneta (MRZ), foto digitalizada e impressões digitais.

O novo passaporte brasileiro terá dois sistemas para controle de acesso às informações do chip, o BAC e o EAC. O primeiro sistema é o BAC (Basic Access Control) que tem o objetivo de garantir que as informações gravadas no chip só possam ser lidas mediante a disponibilização do passaporte por parte de seu portador. Após a leitura de dados impressos na zona de leitura mecânica (MRZ) no passaporte e conferência dessa informação com os armazenado no chip, estabelece-se uma sessão criptografada com chave simétrica entre o chip e o leitor. Esse sistema, por sua simplicidade, controla o acesso apenas às informações biográficas do portador e a imagem da fotografia de sua face, armazenadas no chip. Para o controle de acesso às biometrias consideradas mais sensíveis, é utilizado o mecanismo mais sofisticado, chamado EAC, descrito a seguir.

O EAC (Extended Access Control) foi criado para proteger as biometrias mais sensíveis que, no caso do passaporte brasileiro, é a biometria da impressão digital. Após o estabelecimento da sessão criptografada pelo processo de BAC, é feito o processo de Extended Access Control. A sessão do BAC é trocada por uma nova sessão gerada, mais robusta, e o sistema confere se as informações armazenadas realmente pertencem àquele chip, por um processo de desafio/resposta interno, no micro processador do chip. Após o Chip Autentication, o sistema confere a autenticidade dos dados armazenados no chip, por um processo chamado de Passive Autentication, em que é conferido se os dados do chip foram assinados pelo país emissor do passaporte. Em seguida entra-se no processo de Autenticação do Terminal (Terminal Autentication).

A Copa do Mundo de Futebol da FIFA de 2014 e as Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016 são dois grandes eventos internacionais que demandarão ao Governo Brasileiro uma solução de tecnologia adequada e eficiente. A solução do passaporte eletrônico com a inserção da tecnologia do chip vai ao encontro dessa solução, permitindo a inclusão da biometria no chip (foto e duas digitais), abrindo o caminho para a implementação de portais de auto-atendimento nos postos de controle migratório do País, os quais proporcionam maior dinamicidade ao fluxo de pessoas de uma forma mais segura, bem como economicidade de pessoal empregado na fiscalização migratória.

A necessidade de se implementar a tecnologia do chip nos passaportes com a máxima brevidade é em decorrência de mais brasileiros poderem utilizar os portais automatizados de controle migratório durante a realização dos eventos esportivos descritos acima, o que, a priori, reduzirá significativamente as filas nos postos de controle migratório.

Com a implantação da tecnologia do chip no passaporte estima-se que aproximadamente 5.000.000 (cinco milhões) de brasileiros portarão passaporte eletrônico em jul/2014, data da Copa do Mundo de Futebol, e poderão utilizar portais automatizados de atendimento nos principais aeroportos, resultando em economia de recursos para a fiscalização migratória, por meio do direcionamento de atendentes ao excepcional número de estrangeiros que demandarão o atendimento.

Nesse projeto piloto, o novo passaporte passará por avaliações em vários aspectos, tanto nos procedimentos quanto nos sistemas, assim, após as adaptações, a Polícia Federal lançará o novo passaporte nacionalmente.

Fonte: IPC Digital

Dec
08
2010
-

Investimentos em Segurança deverão crescer em 2011

Segurança de Dados

Segurança de Dados

A Unisys prevê em 2011 um aumento nos investimentos em proteção com base em dados biométricos de dispositivos móveis, criptografia em tokens para transações confidenciais, nos sistemas de identificação de trabalhadores portuários, no planejamento da continuidade de negócios e nos sistemas de acesso de segurança com base na geografia.

Em meio a esse cenário, a Unisys acredita que as tendências de segurança tem como maior foco, a política de segurança dos dispositivos do consumidor. Um estudo recente patrocinado pela Unisys revelou que os profissionais da informação familiarizados com tecnologia já não têm limites definidos entre o ambiente profissional e doméstico. Referente aos dispositivos adquiridos para uso pessoal, os empregadores não parecem ter uma exata compreensão de quais tecnologias seus funcionários usam no local de trabalho.

Com relação a habilitação biométrica de dispositivos móveis, haverá maior utilização da biometria para ajudar no uso seguro dos dispositivos. Embora muitos consumidores estejam tomando medidas proativas para se protegerem contra crimes virtuais e roubos de identidade, apenas pouco mais de um terço dos internautas nos Estados Unidos usam e atualizam regularmente as senhas de seus dispositivos móveis.

Ataques virtuais recentes resultaram em paralisações de servidores que interromperam o acesso à Internet nos setores privado, acadêmico e governamental. Com a dependência da comunicação da Internet em crescimento contínuo, especialistas prevêem um interesse maior no planejamento em continuidade de negócios, com as empresas trabalhando para assegurar e conduzir negócios essenciais em caso de um ataque virtual.

Nos programas de identificação de trabalhadores portuários, a Unisys prevê um foco maior por parte das autoridades do governo dos EUA em 2011, referentes às formas eficazes para proteção dos carregamentos que entram no país e para verificação das identidades do pessoal autorizado em áreas restritas dos portos marítimos.

Em 2011, a companhia prevê ainda que as organizações vão começar a explorar tecnologias com base em localização, como sistemas de posicionamento global, como um meio de garantir o acesso dos funcionários aos sistemas e dados corporativos confidenciais.

Fonte: Decision Report

Dec
08
2010
-

Designer cria conceito de cartão de crédito para cegos

Cartão de Crédito em Braille

O designer Kwon Ki Nam desenvolveu um conceito de cartão de crédito que poderia facilitar em muito a vida de cegos ou pessoas com problemas de visão. O dispositivo se beneficiaria de tecnologias de biometria (reconhecimento de impressão digital) e o alfabeto apropriado para a leitura (Braille).

Funcionamento

O sistema de operações com o cartão seria da seguinte forma: o cliente passa o cartão na máquina. Como em vez de uma assinatura, a identificação do portador seria feita por meio de sua impressão digital, o reconhecimento é feito pelo leitor biométrico. Em seguida, o monitor (em Braille) disponibilizaria os detalhes da transação (em vez de imprimir um comprovante).

Para o caso compras, um pequeno alto-falante embutido explica ao usuário os produtos que estão em processo de aquisição, com suas especificações. Então basta que ele confirme a transação, que certamente seria mais rápida e simples do que com o sistema tradicional.

Fonte: Baixaki

Dec
06
2010
-

Estádios brasileiros terão “Big Brother” para conter baderneiros

Catraca Eletrônica a ser utilizado na Copa 2014

Catraca Eletrônica a ser utilizado na Copa 2014

A presença de baderneiros e cambistas nos estádios brasileiros tem tudo para ter vida curta nos próximos anos. É esse o grande serviço prestado por um sistema de monitoramento que já irá operar no Pacaembu e no Engenhão a partir de janeiro de 2011 e que pretende usar a tecnologia a favor da segurança. O produto, exposto na Soccerex Global Convention, feira de negócios de futebol realizada esta semana no Rio de Janeiro, é o que há de mais moderno para coibir atos ilegais.

Essa espécie de Big Brother funciona da seguinte forma: para adquirir ingressos, o torcedor precisará ter um cartão magnético onde será carregada a entrada ao estádio. Instranferível, a peça irá conter dados como o CPF do comprador, que precisará do cartão para acessar o estádio.
Ao se aproximar do local de acesso ao estádio, o torcedor estará sendo filmado com uma
câmera de alta definição acoplada à catraca. Essa imagem será atrelada ao cadastro, já que ele precisará do cartão magnético para passar na roleta. Leitores de biometria, que identificam pontos específicos do rosto da pessoa, ajudarão a detectar aquele que emprestar seu cartão a alguém, o que é terminantemente proibido. Em uma nova tentativa, o torcedor pode ser barrado.
“O objetivo é monitorar tudo o que está acontecendo e aí fazer com que o torcedor se sinta supervisionado. As imagens serão armazenadas e ficarão disponíveis para as autoridades. A partir do momento que começa a ter mais dados, você tem total controle sobre os torcedores”, explica Alexandre Mori, diretor da Axis, empresa que desenvolveu o produto em conjunto com a BWA.
Para que a ida ao estádio deixe de ser um sacrifício
Outra facilidade é que o fato de ter o cartão magnético irá condicionar o torcedor a comprar seu ingresso longe das apertadas bilheterias. Com ele, será possível adquirir a entrada ao estádio pela internet e em casas lotéricas, por exemplo, o que inibe a ação de cambistas.
Já se negocia para um futuro próximo outro avanço significativo: em vez de cartão magnético, o torcedor poderá fazer uso de seu próprio telefone celular. Após inserir um mecanismo no chip de seu aparelho, será possível comprar o ingresso por intermédio de uma ligação e acessar o estádio com o celular. A BWA informa que conversa com operadoras de telefonia para colocar isso em prática já em 2011.
Por ora, alguns setores do Engenhão e do Pacaembu receberão as catracas com câmeras de alta definição já no início do próximo ano. De forma gradual, todo o acesso aos dois estádios será absorvido por essa tecnologia de ponta, o que promete ser um soco no estômago de cambistas e baderneiros.
A BWA diz administrar 84% dos estádios do País e pretende levar esse recurso adiante. Para a Copa de 2014, já foi assegurado que o Castelão, em Fortaleza, fará uso do Big Brother a serviço do futebol.

Fonte: Terra

Template: TheBuckmaker.com Wordpress Themes | Greengeeks Panel, Urlaub Alpen