Mar
27
2011
-

Morpho anuncia nova linha de encapsulamento de chip para smart cards na sua fábrica de Taubaté – SP

Cartao Inteligente (Smart Card)

A Morpho e-Documents, empresa do Grupo Safran, anuncia o lançamento de uma nova linha de produção completa de módulos de Circuito Integrado (CI) na sua fábrica brasileira, em Taubaté. Esse investimento permitirá que a Morpho produza até 30 milhões de módulos por ano, a partir do primeiro trimestre de 2011.  A nova linha também irá satisfazer uma exigência do governo brasileiro, que é o aumento do valor agregado local na cadeia de produção de cartões inteligentes, para atender às disposições da lei de  incentivos fiscais  do Processo Produtivo Básico (PPB).

A linha de produção de módulos exigiu um investimento de aproximadamente 4 milhões de euros em 2010 para garantir a produção local de cartões de identificação de policarbonato (ID Cards) altamente seguros. O investimento irá fortalecer a posição da empresa como líder local no setor de cartões inteligentes. A Morpho agora possui uma cadeia de produção completa para o novo programa de identificação do Brasil, RIC, que se tornará o meio oficial de identificação no país para os próximos anos.

“A nossa nova linha de produção de módulos permitirá atender às regras do governo brasileiro com relação aos benefícios do PPB. Nossa decisão de investir em uma linha de produção local enfatiza o nosso compromisso de longo prazo para com nossos clientes brasileiros e da América Latina”, diz  Paolo Villasco, Vice Presidente Senior das Américas da divisão e-Documents da Morpho.

A fábrica em Taubaté, no Estado de São Paulo, foi ativada  em 1998 e atende aos mais elevados padrões de segurança, conforme confirmado pela MasterCard, Diners, AMEX e Visa. Mais de 60 milhões de cartões inteligentes são produzidos e personalizados a cada ano.

Sobre a Morpho

A Morpho, empresa de alta tecnologia do grupo Safran, é uma das principais fornecedoras mundiais de soluções para identificação, detecção e e-documents. A Morpho é especializada em aplicações para direitos pessoais e gestão de fluxos, em particular aquelas baseadas em biometria, um setor no qual é a líder mundial, assim como terminais seguros e cartões inteligentes.

A Morpho e-Documents, como uma Divisão da Morpho, é pioneira e líder global na indústria de cartões inteligentes. Desenvolve e implementa tecnologia de ponta para transformar em realidade nossa visão das comunicações móveis sem fronteiras e da segurança digital integrada. A linha de produtos da Morpho e-Documents inclui hardwares, softwares, consultoria e serviços, todos voltados para os cartões inteligentes para beneficiar consumidores e provedores nas áreas de telecomunicações, saúde, identificação e serviços bancários. Os sistemas e equipamentos integrados da Morpho já foram implementados no mundo todo e contribuem para a segurança e proteção de transportes, dados, pessoas e países.

Fonte: SEGS

Feb
27
2011
-

CPqD investe R$ 8,8 mi em laboratório para teste de RFID

CPqD

CPqD

Ambiente atuará no desenvolvimento, teste, simulação e integração das aplicações de identificação por radiofreqüência a redes de sensores, de biometria e de comunicação sem fio.

O CPqD inaugurou nesta sexta (4) o Laboratório de Estudos e Aplicações em RFID, tecnologia de identificação por radiofreqüência. O ambiente, segundo os diretores da empresa, é o único no Brasil que possui uma câmara semianecóica. A inauguração aconteceu na sede do CPqD em Campinas, no interior de São Paulo, e contou com a presença do presidente da instituição, Hélio Graciosa, do Ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e diversas autoridades.
O laboratório começou a ser montado em junho de 2009 e contou com o apoio do Fundo Nacional de Desenvolviemnto Científico e Tecnológico (FNDCT), do MCT e da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). O valor total do investimento foi de R$ 8,8 milhões, sendo R$ 8 milhões vindo das parcerias e R$ 800 mil do CPqD.
“Esse será um laboratório nacional de referência, onde vai concentar ainda mais investimentos em ciência, tecnologia e inovação. Na história da evolução de tecnologia no Brasil, o CPqD tem um papel decisivo”, disse Mercadante.
Infraestrutura e Serviços
A câmara semianecóica presente no Laboratório é revestida internamente por placas absorsoras e simula um ambiente aberto, mas sem interferências eletromagnéticas externas. Portanto, será possível medir sinais de radiofrequência livres de interferências.
O Laboratório de Estudo e Aplicações em RFID fará três tipos de análises. O teste e medição de radiofrequência (RF) será destinado a verificar se os dispositivos RFID (leitores e etiquetas) estão em conformidade com os padrões do mercado. Outro tipo de estudo permitirá verificar se as etiquetas e leitores RFID estão de acordo com os padrões da EPCglobal, entidade responsável pela implementação do Código Eletrônico de Produtos (EPC).
Além disso, o laboratório atuará no desenvolvimento, teste e simulação de aplicações baseadas nessa tecnologia, em diversos segmentos e cenários. Isso envolve a integração da aplicação RFID com outras tecnologias, como redes de sensores, biometria e redes de comunicação sem fio.
“Nós do CPqD estamos muito honrados de termos sido escolhidos pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e pela Finep para ser a sede desse laboratório de referências em RFID”, disse Graciosa. Segundo o presidente, a criação do laboratório é um reflexo do crescimento na área de tecnologia do Brasil.

Fonte: IPNEW
Escrito por Thamires Costa

Feb
27
2011
-

Biometria controla frequência de alunos em escola da Praia Grande

Leitor Biometrico

Leitor Biometrico

Controlar a presença e a frequência de alunos é uma realidade comum e antiga em qualquer escola, sempre realizada através das listas de chamada em papel. Mas, visando mais segurança, as tecnologias vêm sofisticando cada vez mais as formas de monitoramento de acesso dos estudantes.

Alunos do 1º ao 5º ano da Escola Municipal Roberto Mário Santini da cidade de Praia Grande, litoral de São Paulo, por exemplo, utilizam – desde maio deste ano – um sistema de frequência digital da Madis Rodbel – uma das principais empresas fabricantes de relógio de ponto e controle de acesso do País.

O mecanismo é de um coletor de dados biométricos – o MD 5705 da Madis Rodbel. O aparelho registra a presença do estudante, por meio da leitura biométrica do dedo indicador. De acordo com o chefe da Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da cidade, Marcos Pastorello, “o sistema envia aos pais, diariamente, um e-mail informando o horário exato que o aluno entrou e saiu da sala de aula da escola”. Pastorello complementa que “a partir de agosto deste ano, os pais também começaram a receber esses avisos por meio de mensagens de texto via celular, em caso de ausência do filho”.

Os principais benefícios do projeto são os controles: de diário de classe, de merendas, evasão escolar, acompanhamento do programa Bolsa Família (que se baseia na frequência dos alunos para manter o benefício) e envio de e-mail e SMS para os responsáveis pelos estudantes. O desperdício de alimentos (merenda) é evitado por meio de um computador. A cozinha da instituição recebe em tempo real o número exato de alunos que estão na escola para fazer a quantidade ideal de comida.

De acordo com o vice-presidente da Madis Rodbel, Rodrigo Pimenta, esse é o primeiro projeto da empresa voltado para controle de frequência em uma instituição de ensino. “Estamos experimentando e como projeto-piloto já percebemos ótima aceitação da escola, dos pais e dos próprios alunos. O objetivo é que o sistema digital elimine de vez a lista de presença e aumente a segurança e controle das crianças na rotina casa-escola e vice-versa”, afirma Pimenta.

O MD 5705 da Madis Rodbel tem capacidade para 500 usuários comunicação TCP/IP em real time, utilizando sistema RBAcesso SQL integrado com software desenvolvido pela Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da Secretaria de Educação – Prefeitura Municipal da Praia Grande.

Na Escola Municipal Roberto Mário Santini foram instalados 14 leitores biométricos, já que a instituição possui 14 salas de aula. Atualmente, o sistema está atendendo cerca de 600 alunos nessa unidade escolar.

Segundo a Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da Secretaria de Educação, o sistema pretende incluir também as notas e outras informações sobre o desempenho do estudante, que serão enviados diretamente para os e-mails dos professores. Além disso, a Secretaria de Educação adquiriu 48 novos equipamentos para serem instalados em 5 novas escolas em 2011, contemplando 3100 alunos, perfazendo um total de 3700.

Fonte: Minha Notícia

Jan
18
2011
-

Viva na casa do futuro hoje

Fechadura do futuro

Fechadura do futuro

Dos gadgets sem fio à inteligência artificial, a tecnologia está transformando a experiência de morar. Entre e veja o que você pode ganhar com isso.

Vinte anos atrás, você entrava no carro, girava a manivela para abrir a janela, empurrava a ponta do espelho lateral com o dedo, colocava um som no toca-fitas e dirigia por aí. De repente começava a chover e os vidros embaçavam completamente, enquanto você tentava passar um pano no para-brisa. Em vão… Se no carro as tecnologias evoluíram de forma a exportar essa cena para algum lugar da era paleozoica, em casa ainda vivemos de um jeito parecido com o cenário aí de cima. Mas talvez daqui a 20 anos você tenha a mesma reação ao lembrar que abria e fechava as janelas manualmente e tinha de usar (e encontrar!) três controles diferentes para ver um filme no home theater. Agora, as casas começam a entrar na mira dos sensores, dos recursos de automação e das tecnologias de rede e de acesso remoto. A experiência de morar está se transformando — e sem ser algo apenas para milionários.

No passado, o alto custo de instalação de equipamentos para automação residencial afastava mesmo quem tinha dinheiro para investir, tornando o uso de tecnologia dentro de casa uma excentricidade. “Hoje, com 4 000 a 5 000 reais você consegue automatizar um ambiente inteiro”, diz Leonardo Senna, dono e técnico da iHouse, uma das pioneiras do setor. Isso significa, por exemplo, controlar com um toque toda sua sala, incluindo iluminação com dimmer (para regular a intensidade de cada lâmpada), instalações de áudio e vídeo, controle de ar-condicionado e acionamento elétrico de persianas ou janelas. Senna fez de seu apartamento um laboratório de testes para as novidades. E quando viaja sente falta de itens como o misturador eletrônico de água no chuveiro, que permite definir com exatidão a temperatura e o fluxo.

Segundo estimativa da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), os preços desses recursos caíram pela metade nos últimos quatro anos. “A automação custava cerca de 5% do valor do imóvel. Agora representa 3%”, afirma o engenheiro José Roberto Muratori, fundador da Aureside. Conectar um cômodo todo não costuma demorar mais que algumas horas. Hoje, as principais formas de usar automação em casas já construídas envolvem tecnologias sem fio como o Wi-Fi, o infravermelho, o 3G e até o ZigBee, um protocolo com menor alcance e consumo de energia que pretendia dominar as casas.

Direto na planta Quem vai comprar um imóvel na construção pode optar pela automação antes de a casa ficar pronta. Sempre é mais fácil fazer pequenas mudanças enquanto ela não está habitada e cheia de móveis. Os custos e os transtornos são menores. Por isso — e também para ter mais atrativos em seus imóveis —, várias construtoras estão oferecendo possibilidades de automação em projetos no lançamento. É o caso da Even, que teve sua primeira experiência no ano passado, em um condomínio na cidade de São Paulo. A empresa não se fixou apenas nos apartamentos grandes de alto padrão, mas também está oferecendo automação em imóveis a partir de 50 metros quadrados, com custo incluído no valor total. É o caso do Concept Anália Franco, que custa a partir de 363 000 reais. O pacote básico inclui itens como uma central para controlar os equipamentos, controle remoto com LCD e roteador Wi-Fi. Quem compra ainda pode aumentar o pacote com opcionais como dimmers, leitor biométrico para a porta, termostato para o ar-condicionado e câmeras IP controladas pela web. “A automação era um mito de preço e funcionalidade. Quando as pessoas veem no apartamento decorado, torna-se tangível e a receptividade é boa”, diz Ricardo Grimone, gerente de incorporação da Even.

Fonte: Info Exame

Jan
05
2011
-

Incentivo deve dar impulso aos tablets no Brasil

Tablet Ipad

Tablet Ipad

A possibilidade de o governo criar um programa de incentivo para a produção de tablets pode acelerar o amadurecimento do mercado nacional, em um movimento semelhante ao que aconteceu com a indústria de computadores cinco anos atrás.

Segundo a Folha apurou, o governo analisa formas de incentivar a indústria brasileira para a fabricação dos tablets desde o início do segundo semestre de 2010.

Uma das formas de incentivo, já debatida e retomada na semana passada –durante a reunião que formalizou o programa Pró-UCA, que prevê a distribuição de netbooks educacionais a escolas públicas do país–, é a classificação dos tablets como PCs.

Procurados, representantes do Ministério das Comunicações e Ciência e Tecnologia não responderam aos pedidos de entrevista.

Hoje ainda existem dúvidas sobre a forma como esses aparelhos podem ser enquadrados na legislação brasileira, o que também deixa os fabricantes receosos.

A Samsung, que produz o Galaxy Tab, em Manaus, atribuiu ao aparelho a condição de “smartphone”, já que seu modelo tem capacidade para funcionar como telefone celular. Já a Apple importou a maioria de seus iPads como computador.

DESONERAÇÃO

Caso os tablets sejam considerados computadores pelo governo, poderão aproveitar a desoneração prevista na lei nº 11.196 (Lei do Bem), que reduz a cobrança de PIS e Cofins para computadores fabricados no Brasil.

Tablets

Tablets

“O enquadramento dos tablets como computadores, e, com isso, o aproveitamento das regras da Lei do Bem, é o primeiro passo para a queda de preços”, afirma Helio Rotenberg, da Positivo Informática.

A empresa pretende lançar seu tablet no primeiro semestre de 2011.

Para Oscar Clarke, da HP, com maior escala e queda de preços, os tablets deverão engolir os netbooks. “Isso se for possível chegar ao mesmo patamar de preços”, diz.

Segundo Clarke, existe a possibilidade de a companhia trazer o aparelho ainda no primeiro semestre.

Outras fabricantes que já pensavam em entrar no segmento devem ter um empurrão a mais caso o plano de popularização do tablet avance. Entre elas está a LG, que, segundo a Folha apurou, pretende trazer seu aparelho no primeiro trimestre e, com ele, declarar a “guerra coreana” à rival Samsung.

“Os fabricantes estavam receosos porque o mercado não amadureceu. Medidas de incentivo podem impulsionar os tablets”, diz Álvaro Leal, da consultoria IT Data.

Fonte: Folha

Jan
04
2011
-

Biometria – Você é a Chave

Tipos de Biometria

Tipos de Biometria

Biometria é o estudo das características físicas e comportamentais dos seres vivos. A Biometria têm sido bastante estudada nas últimas décadas para garantir segurança no meio digital. Algumas características biométricas dos seres vivos tendem a serem únicas a cada indivíduo, ou no mínimo a probabilidade de se encontrar um individuo idêntico é bastante remota.

Hoje a biometria é utilizada desde identificação criminal, até o controle de acessos a sistemas e locais.
Um
sistema Biométrico em geral funciona da seguinte maneira:

1º passo: É feito um procedimento para coleta das características de cada individuo de acordo com o tipo de sistema Biométrico pré-estabelecido pela empresa.
2º Passo: Um software com algorítimo matemático irá mapear os principais pontos da característica extraída. Após a análise do software será gerado um “Template” com as características individuais do indivíduo que estará relacionado a sua identificação. Esse Template será armazenado no banco de dados do sistema.
3º Passo: A verificação da identidade do indivíduo será feita através da extração de uma nova amostra da característica e a comparação com o Template já pré-armazenado no sistema.

Durante o processo para adoção de um sistema Biométrico por uma empresa, vários fatores são levados em consideração. Dentre a eles a Confiabilidade, a possibilidade da característica adotada variar com o tempo, a possibilidade da característica adotada variar com as condições de saúde ou mesmo condições emocionais, é preciso considerar também se a técnica é invasiva ou não, dentre outros fatores. Os principais padrões biométricos adotados hoje em dia são:

Biometria Digital

Biometria Digital

Impressão Digital: Por volta do 6º mês de gestação as impressões digitais se formam na ponta dos dedos do feto. Essas linhas formadas pela elevação da pele irão acompanhar a pessoa por toda a sua existência sem apresentar grandes mudanças. É um método utilizado a mais de mil anos. Apesar de ser um método bastante utilizado, estima-se que entre 5 e 10% da população mundial não possui impressão digital com um nível de amostragem suficiente para gerar um cadastramento.


Biometria Facial

Biometria Facial

Reconhecimento Facial: Identificar um indivíduo através da análise da face é um processo complexo. A idéia está em utilizar um programa que mapeia a geometria e as proporções da face. Pontos como a distância entre os olhos, distância entre boca nariz e olhos, distância entre os olhos e o queixo, entre outros, são examinados de modo a extrair uma combinação única para identificar o indivíduo. Uma de sua falhas consiste no fato de que diferentes angulações da posição do rosto em relação a câmera podem gerar uma discordância na comparação do software.


Biometria da Íiris

Biometria da Íiris

Identificação da Íris: Entre o 7º e o 8º mês de gestação se forma o tecido que reveste a íris. Até mesmo gêmeos idênticos possuem características próprias da íris. Com um tamanho de cerca de 11mm a íris proporciona por volta de 266 pontos únicos de identificação, e como a íris está protegida atrás da córnea a probabilidade de danos ao tecido é mínima. A probabilidade de haver dois individuos com íris semelhantes é de 1 em 2,9 bilhões. Sua desvantagem é que é considerada uma técnica invasiva uma vez que a comparação é feita através de um feixe de laser que incide direto nos olhos do indivíduo.

Biometria - Reconhecimento da Voz

Biometria - Reconhecimento da Voz

Reconhecimento da Voz: O reconhecimento da voz funciona através da dicção de uma frase que funciona como senha. O som da voz humana é causado pela ressonância e comprimento das cordas vocais, o formato da boca e as cavidades nasais. Quando se fala cria-se vibrações no ar. O conversor analógico-digital traduz essas vibrações em sinais digitais. O sistema ainda filtra o som para remover ruídos indesejados. Como desvantagem esta técnica pode-se destacar o fato da pessoa adquiria algum tipo de doença que afete o timbre da voz, por exemplo um resfriado, ainda existe o caso de pessoas com timbres de voz parecidos serem confundidas pelo equipamento.


Biometria da Retina

Biometria da Retina


Identificação da retina: A retina, parede do fundo do olho, possui características ímpares formadas por um
conjunto de vasos sanguíneos que criam um desenhomuito parecido com mapas hidrográficos. O padrão de vasos sanguíneos da retina é a característica com maior garantia de singularidade que uma pessoa pode possuir. O processo consiste em mapear a posição das veias sanguíneas. Infelizmente pesquisas médicas mostram que algumas doenças podem com o tempo modificar as características da retina.


Fonte: Papo Nerd

Dec
14
2010
-

Vivo e PayPal anunciam serviço de pagamento por celular

Pagamento pelo Celular

Pagamento pelo Celular

A PayPal, empresa de pagamentos on-line, e a Vivo anunciaram nesta quarta-feira (8) parceria que oferece aos 58 milhões de clientes da operadora a possibilidade de fazer pagamentos por meio do celular.

O novo serviço estará disponível ao longo do primeiro semestre de 2011 para todos os clientes Vivo que possuírem aparelhos com as tecnologias GSM e 3G nos planos pré-pago, Vivo Controle ou pós-pago.

Segundo Mario Mello, presidente da PayPal no Brasil, a parceria possibilita a recarga por celular sem a necessidade de acesso à internet. “Além disso, os brasileiros poderão utilizar o aparelho para enviar e receber pagamentos de forma simples e segura”, completou.

Proteção das informações

Conforme o comunicado divulgado nesta quarta-feira (8), todas as operações realizadas pela PayPal são protegidas e monitoradas por uma equipe antifraude e as informações dos clientes são armazenadas de acordo com critérios internacionais de proteção de dados.
Como a operação é feita por meio de mensagens de texto (SMS), o serviço é acessível a todos os tipos de aparelhos, não apenas os
smartphones.
“O
pagamento pelo celular permite ao usuário digitar a sua senha no próprio aparelho, o que preserva o número do cartão”, afirma Hugo Janeba, vice-presidente de marketing e inovação da Vivo.

PayPal no mundo

As transações financeiras realizadas via PayPal pelo celular saltaram de US$ 25 milhões em 2008 no mundo, para US$ 141 milhões em 2009. A expectativa da empresa é atingir um volume de mais de US$ 500 milhões este ano. Segundo Mello, a companhia espera fechar 2010 com mais de 5 milhões de pessoas usando a PayPal de seus celulares.

Fonte: Conecte

Dec
08
2010
-

Designer cria conceito de cartão de crédito para cegos

Cartão de Crédito em Braille

O designer Kwon Ki Nam desenvolveu um conceito de cartão de crédito que poderia facilitar em muito a vida de cegos ou pessoas com problemas de visão. O dispositivo se beneficiaria de tecnologias de biometria (reconhecimento de impressão digital) e o alfabeto apropriado para a leitura (Braille).

Funcionamento

O sistema de operações com o cartão seria da seguinte forma: o cliente passa o cartão na máquina. Como em vez de uma assinatura, a identificação do portador seria feita por meio de sua impressão digital, o reconhecimento é feito pelo leitor biométrico. Em seguida, o monitor (em Braille) disponibilizaria os detalhes da transação (em vez de imprimir um comprovante).

Para o caso compras, um pequeno alto-falante embutido explica ao usuário os produtos que estão em processo de aquisição, com suas especificações. Então basta que ele confirme a transação, que certamente seria mais rápida e simples do que com o sistema tradicional.

Fonte: Baixaki

Nov
19
2010
-

Fiação elétrica funciona como antena para casa inteligente

Rede de sensores sem fios

Rede de sensores sem fios

A tecnologia logo tornará realidade um antigo ditado popular: as paredes realmente terão ouvidos.

E poderão contar alguns segredos interessantes para os donos da casa: uma janela aberta deixando escapar o ar condicionado, um vazamento de água ainda imperceptível, a mudança brusca de temperatura lá fora, e muitos mais.

Sensações caseiras

Tudo o que uma casa precisa para se tornar uma casa inteligente são “sensações”. E essas sensações são produzidas por sensores que fazem medições continuamente.

Em seguida, essas medições precisam ser enviadas a uma central que as processe e gere informações úteis para os moradores ou, principalmente, em gatilhos para o acionamento automático de comodidades, como ligar e desligar o ar-condicionado ou o aquecedor, abrir e fechar cortinas e janelas, acionar o aquecedor elétrico quando o tempo fica nublado, e assim por diante.

Agora, um grupo de pesquisadores norte-americanos criou um novo tipo de sensor que usa a fiação elétrica de uma casa como uma gigantesca antena, capaz de captar as informações dos diversos sensores espalhados pela residência e pelo seu entorno.

A central de monitoramento é também conectada à rede elétrica, de onde retira os sinais dos sensores e faz o seu processamento.

Sensores sem fios

Sensores que monitoram temperatura, umidade, nível de iluminação, qualidade do ar, etc, são equipamentos simples e baratos e que consomem pouquíssima energia para coletar os dados. Mas a energia necessária para transmitir esses dados é muito grande.

“Quando você olha para o sensoriamento doméstico e para a automação residencial em geral, é possível ver que a tecnologia ainda não decolou”, afirma o Dr. Shwetak Patel, da Universidade de Washington. “A tecnologia existente ainda consome energia demais e não é tão fácil de implementar como gostaríamos que fosse.”

Isto ocorre em grande parte porque os equipamentos sem fios de hoje têm um alcance de apenas alguns metros, e consomem tanta energia que exigem constantes trocas das suas baterias.

A saída encontrada pela equipe do Dr. Patel foi usar a fiação elétrica como uma gigantesca antena, capaz de receber sinais dos sensores sem fios em uma frequência definida.

Enquanto os sistemas sem fios de automação doméstica atuais têm problemas para enviar sinais através das paredes, diminuindo muito sua praticidade, este sistema na verdade opera melhor em torno das paredes, porque é em seu interior que está a antena.

Uma bateria para 50 anos

Cada sensor é dotado de sua própria antena de transmissão, que pode ser tão simples quanto um fio de cobre enrolado ao seu redor.

Como a antena de recepção está efetivamente espalhada por toda a casa, os sensores podem transmitir com potência muito baixa, economizando suas baterias – o sistema opera com menos de 1 por cento da potência de transmissão de dados em comparação com o próximo modelo mais eficiente disponível.

Ainda assim, os sensores têm um alcance que permite sua instalação a até 15 metros da fiação mais próxima.

Consumindo por volta de 1 miliwatt de energia, cada sensor pode funcionar com uma bateria do tipo botão por cerca de 50 anos – provavelmente a bateria terá que ser trocada antes disso, mas porque irá se deteriorar e não por falta de energia.

Tendo atingido níveis tão baixos de energia, os pesquisadores agora querem eliminar de vez as baterias, fazendo os sensores funcionarem com energia solar – a claridade interna da residência é suficiente – ou por geradores piezoelétricos que aproveitem as vibrações do ambiente para gerar energia.

Fonte: Inovação Tecnológica

Nov
04
2010
-

BlackBerry com leitor de impressão digital?

Esquema do Black Barry

Esquema do BlackBarry

E quando você pensava que seu BlackBerry não poderia ficar mais seguro, parece que isso vai acontecer, em breve. Uma patente que foi registrada em 26 de fevereiro de 2009 e atualizada em 12 de janeiro de 2010, descreve claramente a implementação da tecnologia de leitura de impressão digital.
Os dispositivos utilizados nas figuras pode ser um tanto arcaicos, mas recorrentemente ouve-se que a RIM vem trabalhando nisso a alguns anos. Quer dizer que podemos esperar por essa tecnologia a bordo de um BlackBerry no futuro? Existem boas chances, especialmente pela atualização do registro da patente pela RIM, fazendo parecer que planeja implementar mais essa funcionalidade aos seus dispositivos móveis.
A seguir, a tradução de um trecho do texto da patente:
Um aparelho para entrada e reconhecimento da impressão digital compreende uma superfície de toque e um processador de dados junto à superfície sensível ao toque. A superfície de toque compreende uma primeira região e uma segunda região. A segunda região é distinta e coplanar com a primeira região e ocupa uma parcela menor da área total da superfície sensível ao toque. O processador de dados está configurado para operar seletivamente a superfície de toque em um modo de entrada de toque ou um modo de detecção de impressões digitais. No modo de entrada por toque, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma primeira resolução comparável à da primeira região para detectar uma entrada de contato em qualquer lugar na superfície sensível ao toque. No modo de detecção de impressões digitais, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma resolução maior do que a primeira resolução para detectar uma impressão digital na segunda região.
Touch pads são conhecidas técnicas de entrada de computador. O touch pad tem uma superfície plana capaz de produzir um sinal quando a superfície plana é tocada com um dedo.
Reconhecimento de impressão de dedo é uma técnica conhecida de sistemas biométricos, utilizados para reconhecer a identidade de uma pessoa com base em características fisiológicas.

Leitor Biometrico do Black Barry

Leitor Biometrico do BlackBarry

Ambas as técnicas não são tipicamente apresentados simultaneamente em dispositivos eletrônicos portáteis. Apesar de almofadas de toque e dispositivos de impressão digital são comuns, almofadas de toque podem ter resolução muito baixa, e pode usar um algoritmo de interpretação para aumentar a resolução aparente, enquanto que os dispositivos de impressão digital podem ter resolução muito alta. A área da superfície limitada de um dispositivo eletrônico portátil pode excluir a utilização de pastilhas de ambos os toques e dispositivos de impressão digital, simultaneamente.
Não se sabe ao certo se um recurso como este seria implementado na maioria dos futuros dispositivos ou se a RIM pretende que esta seja orientada a aplicações de alto-nível como corporações, governos, etc. Isto poderia servir a um propósito corporativo, mas seria usado por usuários fora das organizações? Considerando os prós e os contras de uma característica única como esta, se o sistema operacional do dispositivo puder lidar eficientemente com a digitalização de impressão digital e fazê-lo rapidamente, pode se tornar um sucesso.
Dada a atual rapidez dos sistemas operacionais instalados nos BlackBerries, esta função pode se tornar apenas uma novidade sem ter uma utilidade prática para todos os usuários.
De qualquer forma, mal posso esperar para desbloquear meu BlackBerry usando apenas encostando meu polegar na tela.

Fonte: Bagapreta

Template: TheBuckmaker.com Wordpress Themes | Greengeeks Panel, Urlaub Alpen