Mar
27
2011
-

Estudantes criam sistema de identificação digital

Cadastro com leitor biometrico digital

Cadastro com leitor biometrico digital

A partir de março, a viagem até a universidade será diferente para os 1,4 mil estudantes de Marau. Criado por alunos, um sistema de identificação digital fará o controle do transporte com um tablet, computador em forma de prancheta e com tela sensível ao toque, e um leitor biométrico.

A ideia surgiu devido aos impasses registrados nas viagens devido ao uso de carteirinhas estudantis. Após ser aceita pela Associação dos Universitários Marauenses (Assuma), a proposta foi aprovada pela prefeitura, que custeia o transporte dos alunos.

Segundo o projeto, cada ônibus terá um tablet com conexão à internet e um leitor biométrico fixados no painel. Quando começar a viagem, o motorista deverá informar a placa do veículo, nome do condutor, data, horário de saída e destino.

Em seguida, o tablet atualizará o banco de dados com as informações dos estudantes via internet móvel. Na hora do embarque, quando o passageiro encostar o dedo no leitor biométrico, o computador exibirá seu cadastro completo, incluindo os dias e turnos de aula.

A partir das informações, o motorista liberará ou não a entrada no ônibus. Antes de sair da cidade de origem, o tablet ainda gerará automaticamente para um servidor instalado na sede da Assuma um relatório completo com a lista de passageiros no veículo e até a rota prevista.

- Com essa tecnologia, há um controle completo e a segurança é total – garante Jonathan Tebaldi, um dos idealizadores do sistema.

Nesta semana, a Assuma iniciou o cadastro dos acadêmicos em sua sede, localizada na Rua Irineu Ferlin, s/nº. Para se cadastrar, é preciso informar dados pessoais, apresentar comprovantes de matrícula e de residência em Marau, levar uma foto e fazer o registro da impressão digital.

A licitação para selecionar as empresas responsáveis pelo transporte universitário está prevista para a próxima quarta-feira, dia 20. Segundo o edital, elas terão que comprar os equipamentos necessários para implantar sistema. O investimento, por ônibus, será de aproximadamente R$ 2,4 mil.

– A fiscalização digital trará segurança e agilidade, além de reduzir gastos e transtornos – afirma Thales Alex Timbola, presidente da Assuma.

Fonte: Clic RBS

Feb
27
2011
-

Biometria controla frequência de alunos em escola da Praia Grande

Leitor Biometrico

Leitor Biometrico

Controlar a presença e a frequência de alunos é uma realidade comum e antiga em qualquer escola, sempre realizada através das listas de chamada em papel. Mas, visando mais segurança, as tecnologias vêm sofisticando cada vez mais as formas de monitoramento de acesso dos estudantes.

Alunos do 1º ao 5º ano da Escola Municipal Roberto Mário Santini da cidade de Praia Grande, litoral de São Paulo, por exemplo, utilizam – desde maio deste ano – um sistema de frequência digital da Madis Rodbel – uma das principais empresas fabricantes de relógio de ponto e controle de acesso do País.

O mecanismo é de um coletor de dados biométricos – o MD 5705 da Madis Rodbel. O aparelho registra a presença do estudante, por meio da leitura biométrica do dedo indicador. De acordo com o chefe da Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da cidade, Marcos Pastorello, “o sistema envia aos pais, diariamente, um e-mail informando o horário exato que o aluno entrou e saiu da sala de aula da escola”. Pastorello complementa que “a partir de agosto deste ano, os pais também começaram a receber esses avisos por meio de mensagens de texto via celular, em caso de ausência do filho”.

Os principais benefícios do projeto são os controles: de diário de classe, de merendas, evasão escolar, acompanhamento do programa Bolsa Família (que se baseia na frequência dos alunos para manter o benefício) e envio de e-mail e SMS para os responsáveis pelos estudantes. O desperdício de alimentos (merenda) é evitado por meio de um computador. A cozinha da instituição recebe em tempo real o número exato de alunos que estão na escola para fazer a quantidade ideal de comida.

De acordo com o vice-presidente da Madis Rodbel, Rodrigo Pimenta, esse é o primeiro projeto da empresa voltado para controle de frequência em uma instituição de ensino. “Estamos experimentando e como projeto-piloto já percebemos ótima aceitação da escola, dos pais e dos próprios alunos. O objetivo é que o sistema digital elimine de vez a lista de presença e aumente a segurança e controle das crianças na rotina casa-escola e vice-versa”, afirma Pimenta.

O MD 5705 da Madis Rodbel tem capacidade para 500 usuários comunicação TCP/IP em real time, utilizando sistema RBAcesso SQL integrado com software desenvolvido pela Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da Secretaria de Educação – Prefeitura Municipal da Praia Grande.

Na Escola Municipal Roberto Mário Santini foram instalados 14 leitores biométricos, já que a instituição possui 14 salas de aula. Atualmente, o sistema está atendendo cerca de 600 alunos nessa unidade escolar.

Segundo a Coordenadoria de Programas de Inclusão Digital da Secretaria de Educação, o sistema pretende incluir também as notas e outras informações sobre o desempenho do estudante, que serão enviados diretamente para os e-mails dos professores. Além disso, a Secretaria de Educação adquiriu 48 novos equipamentos para serem instalados em 5 novas escolas em 2011, contemplando 3100 alunos, perfazendo um total de 3700.

Fonte: Minha Notícia

Jan
18
2011
-

Viva na casa do futuro hoje

Fechadura do futuro

Fechadura do futuro

Dos gadgets sem fio à inteligência artificial, a tecnologia está transformando a experiência de morar. Entre e veja o que você pode ganhar com isso.

Vinte anos atrás, você entrava no carro, girava a manivela para abrir a janela, empurrava a ponta do espelho lateral com o dedo, colocava um som no toca-fitas e dirigia por aí. De repente começava a chover e os vidros embaçavam completamente, enquanto você tentava passar um pano no para-brisa. Em vão… Se no carro as tecnologias evoluíram de forma a exportar essa cena para algum lugar da era paleozoica, em casa ainda vivemos de um jeito parecido com o cenário aí de cima. Mas talvez daqui a 20 anos você tenha a mesma reação ao lembrar que abria e fechava as janelas manualmente e tinha de usar (e encontrar!) três controles diferentes para ver um filme no home theater. Agora, as casas começam a entrar na mira dos sensores, dos recursos de automação e das tecnologias de rede e de acesso remoto. A experiência de morar está se transformando — e sem ser algo apenas para milionários.

No passado, o alto custo de instalação de equipamentos para automação residencial afastava mesmo quem tinha dinheiro para investir, tornando o uso de tecnologia dentro de casa uma excentricidade. “Hoje, com 4 000 a 5 000 reais você consegue automatizar um ambiente inteiro”, diz Leonardo Senna, dono e técnico da iHouse, uma das pioneiras do setor. Isso significa, por exemplo, controlar com um toque toda sua sala, incluindo iluminação com dimmer (para regular a intensidade de cada lâmpada), instalações de áudio e vídeo, controle de ar-condicionado e acionamento elétrico de persianas ou janelas. Senna fez de seu apartamento um laboratório de testes para as novidades. E quando viaja sente falta de itens como o misturador eletrônico de água no chuveiro, que permite definir com exatidão a temperatura e o fluxo.

Segundo estimativa da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), os preços desses recursos caíram pela metade nos últimos quatro anos. “A automação custava cerca de 5% do valor do imóvel. Agora representa 3%”, afirma o engenheiro José Roberto Muratori, fundador da Aureside. Conectar um cômodo todo não costuma demorar mais que algumas horas. Hoje, as principais formas de usar automação em casas já construídas envolvem tecnologias sem fio como o Wi-Fi, o infravermelho, o 3G e até o ZigBee, um protocolo com menor alcance e consumo de energia que pretendia dominar as casas.

Direto na planta Quem vai comprar um imóvel na construção pode optar pela automação antes de a casa ficar pronta. Sempre é mais fácil fazer pequenas mudanças enquanto ela não está habitada e cheia de móveis. Os custos e os transtornos são menores. Por isso — e também para ter mais atrativos em seus imóveis —, várias construtoras estão oferecendo possibilidades de automação em projetos no lançamento. É o caso da Even, que teve sua primeira experiência no ano passado, em um condomínio na cidade de São Paulo. A empresa não se fixou apenas nos apartamentos grandes de alto padrão, mas também está oferecendo automação em imóveis a partir de 50 metros quadrados, com custo incluído no valor total. É o caso do Concept Anália Franco, que custa a partir de 363 000 reais. O pacote básico inclui itens como uma central para controlar os equipamentos, controle remoto com LCD e roteador Wi-Fi. Quem compra ainda pode aumentar o pacote com opcionais como dimmers, leitor biométrico para a porta, termostato para o ar-condicionado e câmeras IP controladas pela web. “A automação era um mito de preço e funcionalidade. Quando as pessoas veem no apartamento decorado, torna-se tangível e a receptividade é boa”, diz Ricardo Grimone, gerente de incorporação da Even.

Fonte: Info Exame

Jan
05
2011
-

Carteira antifurto inviolável com leitor biométrico

Carteira Biométrica

Carteira Biométrica

iWallet é uma carteira antifurto inviolável equipada com leitor biométrico de impressão digital e com dispositivo de alarme, conectado ao celular via Bluetooth. Assim, quando esquecer a carteira iWallet, o seu celular vai emitir um alarme. Se você estiver deixando  a carteira iWallet ou o celular para trás o alarme soará para garantir que você não esqueça tanto a carteira como o seu celular.

O modelo da carteira iWallet de policarbonato custa US $ 300, a de fibra de vidro US $ 400 e a de fibra de carbono 600 Dólares.

Não achei a carteira tão cara assim! Se pensar bem, é o preço de uma carteira ou bolsa feminina de marca famosa ,só que a iWallet tem a garantia de proteger o seu dinheiro e cartões de crédito. O mais interessante é que está tecnologia pode ser empregada em outros produtos .

Mas e se a bateria acabar? Infelizmente o fabricante não faz qualquer menção.E se o ladrão consegue fugir com o seu valor? O iWallet pode ser “invioláveis”, mas uma vez que o ladrão tem sua iWallet em seu poder, uma chave de fenda deve fazer o trabalho rápido.

Fonte: Fhaz New

Jan
04
2011
-

Biometria – Você é a Chave

Tipos de Biometria

Tipos de Biometria

Biometria é o estudo das características físicas e comportamentais dos seres vivos. A Biometria têm sido bastante estudada nas últimas décadas para garantir segurança no meio digital. Algumas características biométricas dos seres vivos tendem a serem únicas a cada indivíduo, ou no mínimo a probabilidade de se encontrar um individuo idêntico é bastante remota.

Hoje a biometria é utilizada desde identificação criminal, até o controle de acessos a sistemas e locais.
Um
sistema Biométrico em geral funciona da seguinte maneira:

1º passo: É feito um procedimento para coleta das características de cada individuo de acordo com o tipo de sistema Biométrico pré-estabelecido pela empresa.
2º Passo: Um software com algorítimo matemático irá mapear os principais pontos da característica extraída. Após a análise do software será gerado um “Template” com as características individuais do indivíduo que estará relacionado a sua identificação. Esse Template será armazenado no banco de dados do sistema.
3º Passo: A verificação da identidade do indivíduo será feita através da extração de uma nova amostra da característica e a comparação com o Template já pré-armazenado no sistema.

Durante o processo para adoção de um sistema Biométrico por uma empresa, vários fatores são levados em consideração. Dentre a eles a Confiabilidade, a possibilidade da característica adotada variar com o tempo, a possibilidade da característica adotada variar com as condições de saúde ou mesmo condições emocionais, é preciso considerar também se a técnica é invasiva ou não, dentre outros fatores. Os principais padrões biométricos adotados hoje em dia são:

Biometria Digital

Biometria Digital

Impressão Digital: Por volta do 6º mês de gestação as impressões digitais se formam na ponta dos dedos do feto. Essas linhas formadas pela elevação da pele irão acompanhar a pessoa por toda a sua existência sem apresentar grandes mudanças. É um método utilizado a mais de mil anos. Apesar de ser um método bastante utilizado, estima-se que entre 5 e 10% da população mundial não possui impressão digital com um nível de amostragem suficiente para gerar um cadastramento.


Biometria Facial

Biometria Facial

Reconhecimento Facial: Identificar um indivíduo através da análise da face é um processo complexo. A idéia está em utilizar um programa que mapeia a geometria e as proporções da face. Pontos como a distância entre os olhos, distância entre boca nariz e olhos, distância entre os olhos e o queixo, entre outros, são examinados de modo a extrair uma combinação única para identificar o indivíduo. Uma de sua falhas consiste no fato de que diferentes angulações da posição do rosto em relação a câmera podem gerar uma discordância na comparação do software.


Biometria da Íiris

Biometria da Íiris

Identificação da Íris: Entre o 7º e o 8º mês de gestação se forma o tecido que reveste a íris. Até mesmo gêmeos idênticos possuem características próprias da íris. Com um tamanho de cerca de 11mm a íris proporciona por volta de 266 pontos únicos de identificação, e como a íris está protegida atrás da córnea a probabilidade de danos ao tecido é mínima. A probabilidade de haver dois individuos com íris semelhantes é de 1 em 2,9 bilhões. Sua desvantagem é que é considerada uma técnica invasiva uma vez que a comparação é feita através de um feixe de laser que incide direto nos olhos do indivíduo.

Biometria - Reconhecimento da Voz

Biometria - Reconhecimento da Voz

Reconhecimento da Voz: O reconhecimento da voz funciona através da dicção de uma frase que funciona como senha. O som da voz humana é causado pela ressonância e comprimento das cordas vocais, o formato da boca e as cavidades nasais. Quando se fala cria-se vibrações no ar. O conversor analógico-digital traduz essas vibrações em sinais digitais. O sistema ainda filtra o som para remover ruídos indesejados. Como desvantagem esta técnica pode-se destacar o fato da pessoa adquiria algum tipo de doença que afete o timbre da voz, por exemplo um resfriado, ainda existe o caso de pessoas com timbres de voz parecidos serem confundidas pelo equipamento.


Biometria da Retina

Biometria da Retina


Identificação da retina: A retina, parede do fundo do olho, possui características ímpares formadas por um
conjunto de vasos sanguíneos que criam um desenhomuito parecido com mapas hidrográficos. O padrão de vasos sanguíneos da retina é a característica com maior garantia de singularidade que uma pessoa pode possuir. O processo consiste em mapear a posição das veias sanguíneas. Infelizmente pesquisas médicas mostram que algumas doenças podem com o tempo modificar as características da retina.


Fonte: Papo Nerd

Dec
08
2010
-

Designer cria conceito de cartão de crédito para cegos

Cartão de Crédito em Braille

O designer Kwon Ki Nam desenvolveu um conceito de cartão de crédito que poderia facilitar em muito a vida de cegos ou pessoas com problemas de visão. O dispositivo se beneficiaria de tecnologias de biometria (reconhecimento de impressão digital) e o alfabeto apropriado para a leitura (Braille).

Funcionamento

O sistema de operações com o cartão seria da seguinte forma: o cliente passa o cartão na máquina. Como em vez de uma assinatura, a identificação do portador seria feita por meio de sua impressão digital, o reconhecimento é feito pelo leitor biométrico. Em seguida, o monitor (em Braille) disponibilizaria os detalhes da transação (em vez de imprimir um comprovante).

Para o caso compras, um pequeno alto-falante embutido explica ao usuário os produtos que estão em processo de aquisição, com suas especificações. Então basta que ele confirme a transação, que certamente seria mais rápida e simples do que com o sistema tradicional.

Fonte: Baixaki

Nov
18
2010
-

Polícia de Nova Iorque usará leitor biométrico para identificar criminosos

Leitor Biométrico de Íris

Leitor Biométrico de Íris

Parece que a tecnologia do seriado C.S.I saiu das telas e invadiu o mundo real. A polícia de Nova Iorque utilizará leitores biométricos e de íris para identificar criminosos.

Em entrevista à Associated Press, um porta-voz da polícia novaiorquina revelou que esse processo servirá para ajudar os policiais a evitar erros durante abordagens e operações. Dessa forma, um inocente não será preso equivocadamente.

Para dar conta do recado, os criminosos serão identificados pelas digitais e íris. Os policiais, por sua vez, terão um aparelho portátil que fará a leitura e identificação das digitais.

Como toda tecnologia de ponta é cara, os gastos gerados com a compra de aparelhos para o Departamento da Polícia de Nova Iorque serão exorbitantes. No total serão 21 aparelhos distribuídos para algumas viaturas e o valor chegará a US$ 23,800.

Embora o preço ainda seja alto para ter esses aparelhos de última geração, é um investimento para conter a criminalidade e colocar os bandidos atrás das grades.

Fonte: POP

Nov
04
2010
-

Akiyama Corporação foi a responsável pelo cadastramento biométrico de eleitores

Leitor Biométrico Digital

Leitor Biométrico Digital

Nas eleições de 2010 a Akiyama Corporação esteve presente em mais de 23 estados e 60 municípios contribuindo para o cadastramento biométrico de 1 milhão de eleitores brasileiros. A Akiyama venceu em 2009 a licitação do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) para fornecer o KitBio, solução responsável pelo cadastramento biométrico de todos os eleitores, e utilizado nas eleições deste ano. O TSE já adquiriu 1.412 KitBio só esse ano e a estimativa é que até 2014 todos os eleitores do país terão suas digitais cadastradas junto ao órgão.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, informou que 1,2 milhão de eleitores participaram do processo eleitoral utilizando urnas biométricas, e 93,5% tiveram suas impressões digitais reconhecidas pelas máquinas. “A biometria foi um sucesso. Foi a primeira vez que utilizamos o sistema biométrico e tivemos 93,5% de reconhecimento das impressões nos 60 municípios em que esse sistema foi aplicado”, comemorou o presidente do TSE.

Para Ismael Akiyama, diretor-presidente da Akiyama Corporação o resultado das eleições foi excelente: “o acesso à novas tecnologias compõe as diretrizes da nossa empresa, e o sucesso do KitBio confirma essa premissa”, explicou.

Sistema

A Akiyama firmou parceria com a maior provedora de software para integração do AFIS (Automatic Fingerprint Identification System) no Brasil, a Empresa IAFIS Systems do Brasil. Essa parceria fez com que a Akiyama desenvolvesse o KitBio – composto por uma câmera digital, mini-estúdio fotográfico com assento e o scanner biométrico RealScan-D. A tecnologia envolvida no equipamento permite a obtenção de digitais e imagens de maneira rápida, com cadastro automático.

Fonte: ParanaShop

Nov
04
2010
-

BlackBerry com leitor de impressão digital?

Esquema do Black Barry

Esquema do BlackBarry

E quando você pensava que seu BlackBerry não poderia ficar mais seguro, parece que isso vai acontecer, em breve. Uma patente que foi registrada em 26 de fevereiro de 2009 e atualizada em 12 de janeiro de 2010, descreve claramente a implementação da tecnologia de leitura de impressão digital.
Os dispositivos utilizados nas figuras pode ser um tanto arcaicos, mas recorrentemente ouve-se que a RIM vem trabalhando nisso a alguns anos. Quer dizer que podemos esperar por essa tecnologia a bordo de um BlackBerry no futuro? Existem boas chances, especialmente pela atualização do registro da patente pela RIM, fazendo parecer que planeja implementar mais essa funcionalidade aos seus dispositivos móveis.
A seguir, a tradução de um trecho do texto da patente:
Um aparelho para entrada e reconhecimento da impressão digital compreende uma superfície de toque e um processador de dados junto à superfície sensível ao toque. A superfície de toque compreende uma primeira região e uma segunda região. A segunda região é distinta e coplanar com a primeira região e ocupa uma parcela menor da área total da superfície sensível ao toque. O processador de dados está configurado para operar seletivamente a superfície de toque em um modo de entrada de toque ou um modo de detecção de impressões digitais. No modo de entrada por toque, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma primeira resolução comparável à da primeira região para detectar uma entrada de contato em qualquer lugar na superfície sensível ao toque. No modo de detecção de impressões digitais, o processador de dados é configurado para operar a segunda região em uma resolução maior do que a primeira resolução para detectar uma impressão digital na segunda região.
Touch pads são conhecidas técnicas de entrada de computador. O touch pad tem uma superfície plana capaz de produzir um sinal quando a superfície plana é tocada com um dedo.
Reconhecimento de impressão de dedo é uma técnica conhecida de sistemas biométricos, utilizados para reconhecer a identidade de uma pessoa com base em características fisiológicas.

Leitor Biometrico do Black Barry

Leitor Biometrico do BlackBarry

Ambas as técnicas não são tipicamente apresentados simultaneamente em dispositivos eletrônicos portáteis. Apesar de almofadas de toque e dispositivos de impressão digital são comuns, almofadas de toque podem ter resolução muito baixa, e pode usar um algoritmo de interpretação para aumentar a resolução aparente, enquanto que os dispositivos de impressão digital podem ter resolução muito alta. A área da superfície limitada de um dispositivo eletrônico portátil pode excluir a utilização de pastilhas de ambos os toques e dispositivos de impressão digital, simultaneamente.
Não se sabe ao certo se um recurso como este seria implementado na maioria dos futuros dispositivos ou se a RIM pretende que esta seja orientada a aplicações de alto-nível como corporações, governos, etc. Isto poderia servir a um propósito corporativo, mas seria usado por usuários fora das organizações? Considerando os prós e os contras de uma característica única como esta, se o sistema operacional do dispositivo puder lidar eficientemente com a digitalização de impressão digital e fazê-lo rapidamente, pode se tornar um sucesso.
Dada a atual rapidez dos sistemas operacionais instalados nos BlackBerries, esta função pode se tornar apenas uma novidade sem ter uma utilidade prática para todos os usuários.
De qualquer forma, mal posso esperar para desbloquear meu BlackBerry usando apenas encostando meu polegar na tela.

Fonte: Bagapreta

Nov
03
2010
-

Empresa brasileira cria sistema que mede a consumação pela impressão digital

Leitor Biometrico Digital Persona

Leitor Biometrico Digital Persona

A empresa brasileira Datto criou um sistema de comanda digital por biometria, que controla o consumo nos estabelecimentos pela impressão digital dos clientes. A invenção também automatiza a administração do negócio, auxilia no fechamento de caixa, controle de vendas e compartilhamento de sistema. No caso de bares e baladas, principal público do sistema, problemas como superlotação na área do bar e filas para pagamento da comanda na hora da saída são rapidamente solucionados com o sistema.

O produto foi criado em setembro de 2009, mas começou a ter força no mercado em agosto deste ano. Ricardo Florêncio, diretor da Datto, explica que a ideia surgiu das necessidades de um cliente da empresa, um kartódromo de Guarulhos (SP), que tinha problemas com comandas extraviadas, principalmente quando os clientes estavam nas corridas de kart.

A implantação do sistema custa em torno de R$ 8 mil. Dependendo das opções feitas, o preço pode variar. Atualmente, já são 30 clientes em negociação – a maioria do Nordeste e do Sul do país.

Fonte: PEGN

Template: TheBuckmaker.com Wordpress Themes | Greengeeks Panel, Urlaub Alpen